Coimbra  20 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

UF de Sta Clara e C. Viegas cede espaço a associação de Psicologia

12 de Dezembro 2017

José Simão, Vítor Nuno Anjos e Filipa Nobre durante a assinatura do acordo

 

A Associação Portuguesa Conversas de Psicologia (APCDP) tem, a partir de agora, um espaço para a sua sede, no edifício da Junta de Freguesia de Castelo Viegas.

O “presente” de Natal antecipado foi apresentado, hoje, pelo presidente da União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas, José Simão, que cede o espaço, a título gratuito, à instituição. Reconhecendo o importante trabalho que a APCDP tem vindo a desenvolver, o autarca manifestou que a UF “está sempre disponível para apoiar novos projectos” e todas as iniciativas que “tornem a vida dos outros um pouco melhor”.

Situada no piso um (01) da Junta de Freguesia, a nova sede vai ajudar a Associação na sua missão de desenvolver as suas várias actividades, que favorecem a integração social, dinamizando projectos nacionais e internacionais de intervenção social e apoio psicológico.

O acordo terá a duração de cinco anos e, como explicou o presidente da APCDP, Vítor Nuno Anjos, irá ajudar a associação a “dar resposta às necessidades locais e à população em geral”, assegurando serviços que são abertos a todos, sejam encaminhados por outros serviços ou procurem directamente ajuda junto da associação.

O presidente recordou, ainda, que a APCDP é uma instituição recente, com apenas quatro anos, mas que, neste período, já dinamizou 126 actividades, apoiou 16 000 pessoas e assegurou 1 800 horas de formação. “O objectivo fundamental dar qualidade de vida às pessoas”, realçou, adiantando que o espaço passará a ter o nome de Maria José Mairos Ferreira (numa homenagem a uma mulher que fez um trabalho humanitário notável no apoio à população carenciada, financeiramente mas também do ponto de vista social e da educação”.

O trabalho que tem vindo a ser desenvolvido pela Associação terá continuidade, agora, com a disponibilização de “apoio psicológico gratuito a pessoas carenciadas, formação profissional para desempregados de longa duração e outros, ‘workshops’, congressos, entre outros eventos”.

É, também, ali que vai funcionar o gabinete de investigação e projectos internacionais da APCDP.