Coimbra  21 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

SMTUC: Manuel Machado acena a motoristas com melhoria de carreira

11 de Dezembro 2017

Manuel Machado aludiu, hoje, a “luz verde” para que muitos motoristas dos Serviços Municipalizados de Transportes Urbanos de Coimbra (SMTUC) possam ver melhorada a respectiva situação.

Do ponto de vista do presidente da Câmara conimbricense, há perspectivas de melhoria de carreira profissional para trabalhadores investidos, por ora, na categoria de assistentes operacionais e a auferirem mensalmente pouco mais de 500 euros.

O autarca e economista, que remeteu para uma provável decisão do Parlamento, disse tratar-se de uma medida justa, tendo presente “a responsabilidade” que recai sobre aquele pessoal camarário.

Segundo o vereador Francisco Queirós (CDU), que tem assento no Conselho de Administração dos Transportes Urbanos de Coimbra, o assunto foi debatido, hoje, pela Comissão de Trabalhadores dos Serviços Municipalizados e pela deputada à Assembleia da República Ana Mesquita.

Paula Pêgo, vereadora eleita pelo PSD, indicou, em recente sessão extraordinária da Câmara de Coimbra, que a carreira de assistente operacional com funções de agente único de transporte colectivo, por força da Lei nº. 12 – A/2008, foi absorvida nas carreiras gerais. Isso implica, de acordo com a jurista, que quando os SMTUC abrem um procedimento concursal têm de recrutar para a base de assistente operacional.

Segundo a autarca, o desempenho de motorista comporta muita responsabilidade em relação às carreiras gerais de assistente operacional.

“Da parte do PSD, o Grupo Parlamentar tudo fará para ajudar nesta justa reivindicação dos trabalhadores dos SMTUC e também dos serviços municipalizados de transportes de Portalegre e Barreiro”, disse Paula Pêgo ao “Campeão”.

O outrora vereador social-democrata José Belo  exortou, em 2016, a Câmara de Coimbra a estender a trabalhadores dos SMTUC a nomeação de encarregados operacionais.

Tratar-se-ia, segundo o jurista, de uma medida capaz de “ajudar a fazer justiça” a pessoal que aufere mensalmente escassas centenas de euros.