Coimbra  20 de Abril de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Sismo de 4,9 de magnitude em Arraiolos foi sentido em Coimbra

15 de Janeiro 2018

A poucos minutos das 12h00 (precisamente às 11h51), um sismo de 4,9 na escala de Richter, com epicentro a oito quilómetros na vila alentejana de Arraiolos, foi sentido em toda a região Centro do país.

Coimbra, apesar de estar a 220 quilómetros do epicentro, não foi excepção e há relatos de que o ligeiro tremor de terra, que durou apenas alguns segundos, foi sentido em várias partes da cidade e, também, em concelhos vizinhos, como Penela, Lousã, Condeixa-a-Nova ou Miranda do Corvo.

Segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), “a localização do epicentro de um abalo telúrico é um processo físico e matemático complexo que depende do conjunto de dados, dos algoritmos e dos modelos de propagação das ondas sísmicas”, lembrando que “agências diferentes podem produzir resultados ligeiramente diferentes”.

“Do mesmo modo, as determinações preliminares são habitualmente corrigidas posteriormente, pela integração de mais informação”, acrescenta o IPMA.

Não foram, para já, registados quaisquer danos, quer materiais, quer humanos.

A 13 de Outubro, anualmente, o país “pára” para participar no habitual exercício “A Terra treme”, que pretende simular uma situação como a que ocorreu hoje e, assim, dar ferramentas aos cidadãos para que se protejam em caso de um sismo mais devastador.

O exercício público de cidadania visa, ainda, “sensibilizar e capacitar cada cidadão para saber o que fazer em caso de sismo” e consiste em apenas três passos: baixar, proteger e aguardar.

A Autoridade Nacional de Protecção Civil adianta que estes simples gestos “podem fazer a diferença entre a vida e a morte” e esta é uma iniciativa inspirada numa outra norte-americana, tendo apenas a duração de um minuto.

Na página oficial desta iniciativa pode ler-se que “muitas zonas do globo são propensas a sismos e Portugal é um território com zonas particularmente sensíveis a este risco”, com Lisboa a ser a zona mas propícia a ser atingida por um grande sismo, à semelhança do de 1755.