Coimbra  26 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Lousã acolhe Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais

21 de Janeiro 2019

O primeiro-ministro, António Costa, defendeu, hoje, na Lousã, uma mobilização permanente do Governo e dos cidadãos face aos riscos de incêndio em Portugal, na instalação da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (AGIF).

“Nunca podemos estar descansados em relação aos riscos de incêndio que existem”, disse António Costa, frisando que as alterações climáticas vieram agravar nos últimos anos as condições de protecção da floresta portuguesa, bem como das populações.

Por isso, o Governo preconiza um reforço das acções de prevenção e vigilância, sobretudo durante o inverno, para melhorar as intervenções ao nível do combate dos fogos.

“Há um problema global de alterações climáticas que agravou” as condições de eclosão de fogos em Portugal, onde a desertificação dos territórios do interior e o desordenamento florestal já propiciavam a ocorrência de incêndios, disse o primeiro-ministro.

António Costa falava na Lousã, no final de uma reunião com vários membros do Governo, que antecedeu a instalação da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais (AGIF), no Centro de Operações e Técnicas Florestais (COTF), na Chã do Freixo.

Tem havido, especialmente desde 2006, “uma distracção que não pode voltar a haver” relativamente à floresta e ao problema dos incêndios, preconizou.

António Costa, que apresentava a AGIF e respondia a perguntas dos jornalistas no final da reunião no COTF, estava acompanhado dos ministros da Administração Interna e da Agricultura, Eduardo Cabrita e Luís Capoulas Santos, respectivamente, e de Tiago Oliveira, responsável máximo da Agência para a Gestão Integrada dos Fogos Rurais.

A AGIF, com sede na Lousã, irá dispor de 18 funcionários, distribuídos por outras tantas comunidades intermunicipais de Portugal Continental.

António Costa salientou que, para este ano, o Governo reservou 360 milhões de euros para acções de prevenção, vigilância e combate a incêndios, dos quais cerca de 158 milhões de euros são para prevenção.

No dia 25, arranca a “campanha de informação e alerta”, designada “Portugal chama!”, disse o primeiro-ministro.

Durante a tarde, ainda no concelho da Lousã, o primeiro-ministro visita a EFAPEL e preside à cerimónia de inauguração de um novo edifício desta empresa de material eléctrico, que funciona há 40 anos na freguesia de Serpins.

As novas instalações fabris representam um investimento superior a 8,6 milhões de euros, com um financiamento da União Europeia que ronda os quatro milhões de euros.

A Câmara Municipal da Lousã, presidida por Luís Antunes, salienta que esta expansão da unidade fabril vem “criar condições físicas para a inovação organizacional projectada e para o aumento da capacidade da empresa”, que emprega mais de 370 trabalhadores e exporta para mais de 50 países.

A escolha da Lousã para acolher a AGIF “é uma medida concreta de valorização do interior, através da descentralização de um órgão com esta importância”, além de reconhecer as “condições de excelência” do concelho para acolher instituições com “um papel fundamental na gestão e ordenamento da floresta e na gestão dos incêndios rurais”.

Actualmente integrado no Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, o COTF situa-se junto ao aeródromo municipal da Chã do Freixo, nos arredores da vila, onde também estão localizados o Laboratório de Estudos sobre Incêndios Florestais, liderado pelo professor Xavier Viegas, da Universidade de Coimbra, e o Centro de Meios Aéreos, que conta uma presença permanente do Grupo de Intervenção de Protecção e Socorro (GIPS) da GNR.