Coimbra  23 de Abril de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ISEC: Mais engenharia para cumprir metas de economia circular

19 de Março 2019

O presidente do Instituto Superior de Engenharia de Coimbra (ISEC), Mário Velindro, alertou, hoje, que Portugal necessita de uma aposta forte na engenharia para o cumprimento das metas europeias na economia circular.

“A inovação tecnológica e a indústria 4.0 que se faz em Portugal têm de se orientar, de forma transversal, para a reutilização”, defendeu o académico, considerando que o país precisa de “mais engenharia” para cumprir os compromissos assinados com a Comissão Europeia.

Mário Velindro considera que o país não vai conseguir criar 36 000 empregos directos e a incorporação de 86 por cento de resíduos na economia até 2030, como já acordado, “se não introduzir mais engenharia, mais inovação tecnológica e melhor logística nos novos negócios de reutilização, recuperação e reciclagem de materiais e de energia”.

Para o presidente do ISEC, o Governo “tem de apostar fortemente e investir nesta área da recolha, reparação, reutilização e na sensibilização”.

“Vamos passar de uma economia linear para uma economia circular e o que acontece é que depois não há um entrosamento entre os diversos atores nesta matéria, porque há questões como a recolha dos resíduos e a reparação para incorporar os equipamentos que avariam novamente no mercado”, salientou.

Segundo Mário Velindro, a maioria dos equipamentos estão feitos de maneira a não poderem ser recuperados, por estarem “blindados”, e deu como exemplo uma simples varinha trituradora, “pelo que a engenharia tem uma palavra muito forte e tem a obrigação de ajudar a alterar este estado de coisas”.

“Esta prioridade é política, naturalmente, mas tem também de ser empresarial. Tem de começar logo no ensino superior, que é onde são formados os futuros quadros das empresas”, referiu o presidente do ISEC, reiterando que é preciso apoiar a economia circular desde o fabrico ao consumo, passando pela reparação, pela gestão de resíduos e pela reintrodução de matérias-primas secundárias na economia.

De acordo com o responsável, os sectores prioritários são os plásticos, matérias-primas críticas, construção-demolição, desperdícios alimentares e biomassa.

Para debater estas questões, a ISEC promove na quinta-feira, a partir das 14h30, a conferência “Economia Circular – Uma visão para o futuro”, com a participação de líderes da indústria, da banca e do Instituto de Apoio às Pequenas e Médias Empresas (IAPMEI), iniciativa que será encerrada pelo ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes.

Os principais oradores são o ex-ministro Carlos Borrego, da Universidade de Aveiro, a secretária-geral do Ministério do Ambiente, Alexandra Ferreira de Carvalho, o director técnico do Grupo Preceram, José Ávila e Sousa, e o chefe do departamento de Políticas de Empresa do IAPMEI, António Oliveira.

Um dos temas centrais em discussão será o Plano de Acção para a Economia Circular da Comissão Europeia, que contempla 50 propostas de acção ou de medidas legislativas, distribuídas por cinco áreas principais: produção, consumo, gestão de resíduos, mercado de matérias-primas secundárias e medidas horizontais para inovação e investimento.