Coimbra  24 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

“Humanizar o Hospital” passa, também, pela construção do silo-auto

24 de Janeiro 2019

João Pedroso de Lima e Fernando Regateiro

 

O projecto do Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra (CHUC) “H2 – Humanizar o Hospital” foi apresentado, hoje, e entre diversas medidas a implementar, o destaque vai para o lançamento do concurso para a construção do já anunciado e muito aguardado silo-auto de estacionamento.

O “predomínio da tecnologia”, os escassos “recursos financeiros” e, ainda, a “falta de preparação dos profissionais de saúde” para prestar serviços humanizados “quer físicos como emocionais”, foram as razões apontadas pela equipa do projecto “H2” para a alteração profunda da relação “médico ou profissionais de saúde com o doente” nos últimos anos. É, precisamente, para combater a desumanização a que essas relações foram votadas, que uma equipa do CHUC, liderada por João Pedroso de Lima, se propõe a “minorar esses constrangimentos”.

O objectivo deste projecto é “ajudar o hospital a corresponder às expectativas legítimas de doentes, familiares e profissionais de saúde”, explicou João Pedroso de Lima, aquando da apresentação do “H2”, adiantando que “este é um projecto que tem a ver com todos e com cada um”.

Sendo a “humanização uma necessidade cada vez mais sentida”, é fundamental que sejam “respeitadas a dignidade e a fragilidade dos doentes” e que os mesmos “sejam recebidos com responsabilidade, empatia, compaixão e cortesia”, sublinhou o coordenador, sem esquecer que o projecto vai requerer “muita energia, persistência e resiliência”.

“O ‘H2 – Humanizar o Hospital’ é, assumidamente, um projecto de difícil execução, porque implica significativas mudanças de atitude, de comportamento e de cultura”, disse o também médico e director da Unidade de Gestão Intermédia dos Meios de Diagnóstico e Terapêutica do CHUC.

Quanto às medidas a tomar, João Pedroso de Lima elencou algumas como: a promoção de uma cultura de humanização (através de reuniões internas com directores de serviço e serviços de acção médica e de apoio); a criação da figura de embaixador (que conta já com a participação dos músicos André Sardet, José Cid, do treinador João Alves e do jornalista Pedro Carvalhas); a realização de inquéritos de satisfação a doentes e profissionais (para medir e monitorizar); a promoção de acções de formação em comunicação e empatia (com a colaboração do Instituto de Psicologia Médica da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra); entre outras. Uma das medidas está já em desenvolvimento: uma acção de sensibilização contra o ruído hospitalar, que, de acordo com as medições efectuadas pelo IteCons da Universidade de Coimbra, apresenta níveis duas vezes superiores aos recomendados pela Organização Mundial de Saúde.

João Pedroso de Lima referiu, ainda, que outras das prioridades deste projecto é garantir o bem-estar e o conforto dos doentes, duas condições que passam por resolver diversos problemas nas instalações do CHUC: como o caso do Serviço de Urgência e das consultas prestadas; a inadequação das salas de espera e, também, “a lamentável e caótica situação do estacionamento, que afecta milhares de pessoas”.

CHUC já prepara caderno de encargos para o silo-auto

Para o presidente do CHUC, Fernando Regateiro, o projecto “H2 – Humanizar o Hospital” é “relevante e mobilizador” para um centro hospitalar que quer “ser o melhor do país”.

“É um passo estruturante para a nossa capacidade de fazer acontecer”, disse o responsável, salientando que é necessária esta humanização quando se lida com pessoas “frágeis, doentes e deprimidas” pela sua condição. Segundo o presidente do CHUC, “é na acção que se quer levar a bom porto este programa, em que cada um se deve mobilizar agindo”.

Em resposta à questão do estacionamento, o presidente do Conselho de Administração do CHUC revelou que já se iniciaram as reuniões para preparar o processo de lançamento de concurso, embora sem adiantar datas e o valor do investimento.

O caderno de encargos está, por isso, a ser preparado, para depois se lançar o concurso de construção do silo-auto com capacidade para capacidade para 1 200 veículos.

“É um passo extremamente importante, que há muito ansiávamos”, disse o responsável, referindo que a actual Administração está a adaptar um projecto que já existia desde 2011 e que irá, ainda, incluir a requalificação dos estacionamentos à superfície e dos acessos ao polo principal dos CHUC.

O objectivo é, por isso, “receber bem quem visita, dando condições de estacionamento”, algo que faz parte “do projecto de humanização que se está a implementar”.

O anterior projecto, apresentado pelo Conselho de Administração transacto, em Abril de 2017, apontava para a construção de um silo-auto de quatro pisos, junto à unidade de cirurgia cardiotoráxica, através de uma parceria com o Serviço de Utilização Comum dos Hospitais (SUCH).

Convidados projecto Humanizar CHUC

Mário Campos, João Alves, Francisco Andrade, Fernando Regateiro, Salomé Marques, André Sardet, Rosa Reis Marques (ARSC) e Ana Abrunhosa (CCDRC)