Coimbra  20 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Farmacovigilância em Oncologia reúne especialistas em Coimbra

25 de Janeiro 2019

Investigadores, profissionais de saúde, agências reguladoras de medicamentos, indústria farmacêutica, organizações científicas e universidades de vários países reuniram-se, ontem e hoje, no Convento São Francisco, em Coimbra.

A Conferência de Farmacovigilância em Oncologia (Pharm+V) junta cerca de 200 profissionais ligados ao sector da saúde para debater a segurança durante as actividades realizadas em todo o ciclo de vida dos medicamentos utilizados em oncologia.

Com o tema “A identificação de efeitos adversos como elemento chave na segurança e eficácia dos medicamentos para tratar o cancro”, o evento de farmacovigilância pretende chamar a atenção para esta temática que “não só é fundamental para uma utilização mais segura e eficaz dos medicamentos, como constitui uma importante ferramenta de investigação de novas terapêuticas”.

Segundo a organização, uma das conclusões do primeiro dia de reunião foi a de que “o aumento do número de notificações de efeitos adversos, associados ao uso de medicamentos, tem sido fundamental para que a informação detida pelos investigadores e profissionais de saúde possibilite o estudo de medicamentos inovadores, capazes de prolongar a vida dos doentes e introduzir melhorias na sua qualidade de vida”.

Para Maria Filomena Botelho, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de Coimbra e coordenadora do projecto ONCONET SUDOE em Portugal, “este é um encontro que colocará em destaque os processos de farmacovigilância, dando a conhecer grande parte das actividades realizadas em todo o ciclo de vida dos medicamentos usados em oncologia que vão desde a investigação e desenvolvimento de fármacos, passando pela prática clínica pós-comercialização, os aspectos legais, regulatórios e éticos, a monitorização da segurança dos medicamentos, até ao impacto clínico, social e económico das reacções adversas a medicamentos”.

Neste segundo dia, serão apresentados os resultados de um inquérito realizado pela rede ONCONET SUDOE sobre práticas de Farmacovigilância em Portugal, Espanha e França e por uma discussão aberta sobre como lidar com as reacções adversas dos medicamentos.

Liderado em Portugal pela Universidade de Coimbra, o projecto europeu ONCONET SUDOE – Rede Europeia de Cooperação em Oncologia, tem como principal objectivo criar uma área de cooperação em Oncologia, colocando em contacto centros de investigação, universidades, unidades de saúde e empresas de Portugal, Espanha e França.

O projecto foi co-financiado pelo Programa Interreg Sudoe através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

A conferência conta, ainda, com o apoio do AIBILI, através da Unidade de Farmacovigilância de Coimbra, e do INOV C.

A Unidade de Farmacovigilância de Coimbra é uma Unidade Regional do Sistema Nacional de Farmacovigilância apoiada pela Autoridade Nacional de Medicamentos e Produtos de Saúde (INFARMED, IP).

O INOV C é um projecto estratégico co-financiado pelo Centro 2020 através do FEDER com o objectivo de consolidar a Região Centro enquanto referência nacional na criação de produtos e serviços resultantes de actividades de Investigação & Desenvolvimento.