Coimbra  24 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Suspeito a monte voltou a ser condenado

21 de Dezembro 2017

Um dos suspeitos de infligir espancamento a um homem, a 01 de Novembro, voltou a ser condenado, hoje, em Coimbra, no âmbito de outro processo por crimes de ofensa à integridade física, soube o “Campeão”.

O arguido, 30 anos de idade, José Manuel Trigueiro, que não assistiu à leitura da sentença, por se encontrar a monte, foi punido com três anos de cadeia e houve lugar a suspensão da execução da pena.

Pode haver lugar à suspensão da execução de uma pena de prisão se ela não exceder 60 meses, caso o Tribunal entenda que a medida é susceptível de ser encarada pelo(a) arguido(a) como uma advertência capaz de lhe fazer arrepiar caminho.

Segundo o JN, antes da punição sofrida hoje, José Manuel acumulou 10 condenações num horizonte de 12 anos, quatro delas também por ofensa à integridade física qualificada; as outras seis foram por extorsão, detenção de arma proibida (duas), desobediência às autoridades e condução em estado de embriaguez (duas).

Com a punição de hoje, ainda sem carácter definitivo, respeitante a um inquérito aberto em 2010 pela PSP, ao indivíduo foram aplicadas cinco condenações a reclusão, com execução suspensa, quatro penas de multa e duas de trabalho a favor da comunidade.

Da anterior dezena de condenações, a mais severa – pelo crime de extorsão, quatro anos de cadeia – só irá extinguir-se em meados de 2018.

A punição aplicada, hoje, em Coimbra, ocorreu na sequência de uma decisão de juízes desembargadores, vertida num acórdão a ordenar o aprofundamento da fundamentação de uma sentença proferida por um magistrado judicial de primeira instância.

A defesa (oficiosa) de José Manuel, a cargo do advogado António Vaz de Castro, interpusera recurso acerca de anterior punição alegando insuficiente fundamentação da sentença.

Além de autoria de crimes de ofensa à integridade física qualificada, José Manuel Trigueiro estava acusado de posse de arma proibida.

O arguido tem sido representado por outros dois conhecidos advogados, Rodrigo Santiago e António Manuel Arnaut.

José Manuel e um irmão, Emanuel, encontram-se sob suspeita de terem espancado um homem, a 01 de Novembro, em Coimbra (zona da Solum), sendo que o Ministério Público (entidade titular da acção penal) nunca esclareceu se foi emitido mandado de detenção.