Coimbra  22 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Pichagens ameaçam distinção feita pela UNESCO

18 de Maio 2018

Coimbra pode perder a classificação como Património da Humanidade da UNESCO devido a pichagens que vandalizam monumentos em grande parte da zona classificada, adverte Celeste Amaro.

A advertência da titular da Direcção Regional do Centro da Cultura foi feita, em declarações citadas pela Agência Lusa, na sequência de um recente reparo do ex-deputado à Assembleia da República António Rodrigues Costa.

O reconhecimento de parte de Coimbra como Património da Humanidade, feito pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO), ocorreu em 2013 (no mandato autárquico de João Barbosa de Melo).

No começo de Abril [de 2018], Rodrigues Costa alertou para “abjecto vandalismo” infligido, em Coimbra, à igreja do Salvador (século XII).

Aquele antigo responsável pelo outrora Serviço Municipal de Turismo acompanhou a advertência de imagens a atestar que foi “ultrapassado o limite da dignidade e do respeito pela História e pelas pessoas”.

“No mínimo”, em nome do que entendeu ser a sua “obrigação cívica”, Rodrigues Costa preconizou que se levantasse “um clamor público capaz de obrigar a uma actuação adequada”, consistindo ela na “imediata remoção do lixo pintado” nas paredes do referido templo.

“Isto não pode acontecer; Coimbra tem de dar um exemplo (…) e peço a ajuda de todos”, afirmou, hoje, a titular da Direcção Regional do Centro da Cultura.

A PSP identificou, nos últimos cinco anos, sete suspeitos por pichagens em paredes de monumentos e habitações em Coimbra, uma situação que a Câmara Municipal pondera tentar resolver através da videovigilância.