Coimbra  20 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Julgamento vai ter reflexo na circulação automóvel

11 de Janeiro 2019

O trânsito automóvel em redor do quarteirão onde está implantado em Coimbra o Palácio da Justiça vai sofrer condicionamento, segunda-feira (14), devido à realização de um julgamento.

Nas ocasiões em que cerca de uma dezena de viaturas para transporte de reclusos entrarem e saírem da área de estacionamento adjacente ao Palácio, a PSP tomará medidas com reflexo na circulação num segmento da rua da Sofia confinante com a da Figueira da Foz.

Quanto ao Palácio da Justiça, a audiência de julgamento vai impedir o acesso às salas habitualmente destinadas a sessões com colectivos de juízes, encontrando-se vedados ao público os corredores do rés-do-chão localizados a Norte e a Poente do edifício. Neste contexto, haverá lugar a revista de todas as pessoas que entrarem, segunda-feira, no Palácio.

No começo do julgamento de 28 arguidos, acusados de tráfico de droga no Estabelecimento Prisional de Coimbra (EPC), todos os suspeitos vão ser ouvidos em separado, encontrando-se reservada outra sala para os indivíduos que não estejam a prestar declarações.

A tomada de medidas do foro logístico, anunciada, hoje, pela presidente do Tribunal da comarca de Coimbra, Isabel Namora, e pelo juiz João António Ferreira, prende-se com aspectos de reforço da segurança e com o volume de pessoas afectas à audiência (duas dezenas de arguidos, 24 advogados, guardas prisionais e agentes da PSP).

A rede de tráfico, segundo o Ministério Público (citado pela Agência Lusa), terá funcionado, pelo menos, entre Janeiro de 2016 e Julho de 2017, com o propósito de introduzir droga no EPC, especialmente haxixe.

Segundo a peça acusatória, a rede, abrangendo seis mulheres, seria liderada por três homens, tidos como possuidores de “carácter violento”, a ponto de, presumivelmente, serem temidos por reclusos e até por alguns guardas prisionais.