Coimbra  22 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CMC abre caminho para melhoria da resposta aos sem-abrigo

29 de Janeiro 2019

A Câmara Municipal de Coimbra deliberou, hoje, abrir caminho para melhoria da resposta aos cidadãos sem-abrigo ao viabilizar a constituição do Núcleo de Planeamento e Intervenção (NPISA).

O organismo, a coordenar pela autarquia, aspira à promoção de uma “abordagem integral da problemática das pessoas em situação de sem-abrigo, da saúde mental à física, passando pela habitação, ocupação, trabalho, formação e ensino e integração cultural e social”, indica a Assessoria de Imprensa da CMC.

A medida enquadra-se na Estratégia Nacional para a Integração de Pessoas em Situação de Sem-Abrigo, que prevê a criação de núcleos de planeamento e intervenção sempre que a dimensão do fenómeno a justifique.

A criação do NPISA de Coimbra, a formalizar mediante protocolo a outorgar pela CMC e por outras entidades, visa a articulação e intervenção em rede de todas as instituições que têm vindo a trabalhar nesta área.

O NPISA, aberto a novas instituições que mostrem ser uma mais-valia na resposta a fornecer à população desfavorecida, será constituído por um representante da principal autarquia conimbricense e outros de cada um dos organismos do sector público, a par de representantes de entidades intervenientes naquele domínio.

O protocolo a outorgar pela CMC irá abranger a Segurança Social, Administração Regional de Saúe do Centro, Associação das Cozinhas Económicas da Rainha Santa Isabel, Associação Integrar, Associação Nacional de Apoio a Jovens, Cáritas Diocesana de Coimbra, Fundação Assistência Médica Internacional, Venerável Ordem Terceira de S. Francisco, Casa Abrigo do Padre Américo, Centro de Acolhimento de João Paulo II, Associação “Casa”, Associação Todos pelos Outros, Associação O Ninho da Mariazinha, Instituto de Emprego e Formação Profissional, Cruz Vermelha Portuguesa e a Fundação ADFP.

Trata-se de uma “ampla mobilização em prol de situações de difícil resolução”, sintetizou o vereador Jorge Alves (PS), cuja proposta foi aprovada unanimemente pela vereação do Município de Coimbra.