Coimbra  13 de Dezembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Rui Avelar

Piada patética

10 de Novembro 2017

O empresário Bryan Johnson acaba de ir dizer, na Web Summit, estar “mais preocupado com o comportamento humano do que com a inteligência artificial”.
O endeusamento da dita tem destas coisas, dando azo a piadas patéticas. O Sr. Johnson sabe, mas não diz, que não podemos levantar a guarda sobre a inteligência artificial justamente por que um percalço pode advir do comportamento humano, que nem sempre é fiável.
Através de mensagem gravada, o físico e cosmólogo Stephen Hawking foi mais prudente.
Sem embargo de ter partilhado as suas aspirações acerca da inteligência artificial e sobre o respectivo papel na sociedade, Hawking alertou para a necessidade de fazer uso da ética e de reforço no controlo do desenvolvimento da inteligência artificial.
Num registo optimista, o físico e cosmólogo disse acreditar que a inteligência artificial pode ser utilizada para o bem do mundo e funcionar em harmonia com o ser humano, mas alertou para a necessidade de noção do perigo caso ela escape a controlo pautado pela ética.
O sucesso na criação de inteligência artificial pode ser “o maior evento na História da nossa civilização ou o pior”, adverte Stephen Hawking.
As palavras sensatas adquirem outra pertinência quando a apologia da inteligência artificial é feita com piadas patéticas.