Coimbra  17 de Dezembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

João Pinho

Lenda e mito de Pedro e Inês no Agrupamento de Escolas Coimbra Centro

6 de Dezembro 2018

João Pinho Exposição Pedro e Inês

Paula Salvador, Carlos Bem-Haja, Conceição Gomes, Helena Duque, Jorge Nogueira, Catarina Ribeiro, Glória Ferreira, João Pinho e Victor Costa

 

No passado dia 30 de Novembro, a Escola Secundária Jaime Cortesão, sede do Agrupamento de Escolas Coimbra Centro (AECC), inaugurou, nas suas instalações, a exposição de aguarelas do consagrado artista plástico Victor Costa, alusivas à história e mito inesiano – conjunto que serviu de base a um livro editado em Julho passado pela União de Freguesias de Santa Clara e Castelo Viegas – de que tive o privilégio de ser autor – e que foi consequência directa do empenhamento do seu presidente, José Simão, que delineou e coordenou o projecto.

Na presença disciplinada e interessada dos alunos e respectivos professores do 10.º, 11.º e 12.º anos do ensino secundário (cursos do regular e profissional), detalharam-se aspectos variados e específicos da arte de pensar em conjunto a pintura, a escrita e o cinema, a partir de um tema fundamental da construção da História de Coimbra – o amor entre Pedro e Inês e a força temática gerada ao longo de sucessivas gerações de autores (literários e não literários – independentemente do género a que se dedicaram), de que foi um dos expoentes máximos Luís de Camões através da obra fundamental da história e cultura nacional – Os Lusíadas.

Na sessão, intitulada “Tertúlia com Arte – D. Pedro e Inês: História, Lenda e Mito”, usaram da palavra Conceição Malhó Gomes (directora do AECC), Victor Costa, João Pinho, Carlos Bem-Haja (adjunto da direcção e coordenador da EB Silva Gaio), Helena Duque (coordenadora inter-concelhia das Bibliotecas); Catarina Ribeiro, (responsável pelo posto de Turismo de Santa-Clara/Recordatório) Jorge Nogueira (professor responsável pela exposição), Paula Salvador (professora bibliotecária) e Glória Ferreira (co-argumentista do filme Pedro e Inês em exibição nos cinemas nacionais).

Um momento feliz de troca de saberes, de afirmação da identidade nacional pela via do enobrecimento do conhecimento local e regional, em contexto educativo e formativo de natureza escolar – dir-se-ia quase de extensão universitária – onde se principiam a formar as novas gerações de homens e mulheres, das quais muito esperamos, em nome de uma civilização humanista que expresse características fundacionais como a valorização do conhecimento e da cultura.

(*) Historiador e investigador

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com