Coimbra  21 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Helena Freitas

Coimbra: uma cidade em contínua decadência

8 de Março 2019

Coimbra turismo

Coimbra revela-se, hoje, uma cidade profundamente decadente, aos olhos de quem a visita e para os que nela habitam. Talvez não seja assim para aqueles que não querem ver, condicionados por cartilhas esgotadas e lógicas corporativas arcaicas.

Os cidadãos que não se reveem neste estado de coisas, e que estimam uma urbe cuja singularidade histórica todos reconhecem, destacando-se a sua academia e estética medieval, não podem permanecer cúmplices no silêncio.

Não há espaço que não revele esta decadência: do parque verde e toda a sua envolvente, ao centro histórico da cidade e à limitada oferta comercial, às conectividades rodoviárias e ferroviárias, à desarticulação entre espaços de procura turística, ao desmazelo dos espaços urbanos mais nobres ou de intenso usufruto público. A negligência atingiu o impensável.

E quando se observa a transformação que é bem visível noutras urbes de dimensão semelhante, apostadas numa modernização orgânica e funcional, planeada e apoiada na participação activa do cidadão, numa governação descentralizada e transparente, a comparação é imperiosa e é incontestável que estamos nos antípodas desse rumo.

Deixo claro que nada de pessoal me move contra o actual presidente da Câmara Municipal de Coimbra; pelo contrário. Foi sempre da maior cordialidade nas poucas oportunidades de diálogo que tivemos. Mesmo na discordância. Mas não se pode confundir a relação pessoal com a avaliação de desempenho enquanto presidente da autarquia, nem seria justo atribuir-lhe a responsabilidade pelo estado geral da cidade.

Há uns dias enviei um email à CMC – ao cuidado do seu presidente. Fazia-lhe uma proposta simples, disponibilizando-me para ajudar a construir. Imagino que a tenha considerado irrelevante pois não só não mereceu resposta como nem sequer acusou recepção.

A ideia era desenvolver a Agenda 2030 e os seus 17 objectivos para o desenvolvimento sustentável (ODS) com a cidade de Coimbra. Simbolicamente, uma bandeira (um ODS) associada a cada uma das 16 bandeiras da ponte de Santa Clara, deixando o “ODS: Parcerias para a Sustentabilidade”, a desenvolver com os cidadãos na Agenda 2030.

Talvez um dia, se não desistirmos todos.

(*) Professora Catedrática do Departamento de Ciências da Vida da Universidade de Coimbra