Coimbra  26 de Setembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Rui Avelar

Coimbra, capital: A magia do truque

6 de Junho 2018

Luís de Matos encabeça o grupo de trabalho incumbido, pela Câmara de Coimbra, de preparar a candidatura da cidade a Capital Europeia da Cultura / 2027. Pressente-se a magia do truque no seu esplendor.

Inesperadamente, o coordenador é coadjuvado, entre outras figuras, pelo timoneiro distrital do PSD/Leiria, Rui Rocha, conterrâneo do pai de Luís de Matos e antigo líder do Município de Ansião, em cuja Zona Industrial do Camporês funciona a empresa do ilusionista, vocacionada para “magia e eventos”.

Desengane-se quem pense poder ver compadrio por trás do biombo. A escolha de Rui Rocha é um lance de chico-espertismo, actividade em que são férteis alguns agentes políticos.

O ex-timoneiro do Município de Ansião foi convidado por lhe caber o cargo de líder distrital do PSD leiriense e a Câmara de Leiria (PS) ser a patrocinadora da candidatura daquela cidade a Capital Europeia da Cultura / 2027.

“Nunca nos intrometemos nos assuntos internos de outro partido, mas esta situação é lesiva do concelho e do distrito de Leiria”, reagiu o líder distrital do PS leiriense, António Sales.

“Que o líder distrital do PSD faça esta escolha pessoal, trocando Leiria por Coimbra, parece-me uma decisão inusitada, pouco pensada e que, espero, possa voltar atrás”, assinalou o dirigente socialista, que, ao estilo partidário, critica Rocha sem fazer qualquer reparo a Manuel Machado.

Conotado com o movimento cívico “Somos Coimbra”, Carlos Fiolhais, ex-director da Biblioteca Geral da Universidade conimbricense, reconhece “gostar muito que a melhor candidatura fosse” a da cidade onde reside.

Infelizmente, diz o professor universitário em artigo de opinião, “por manifesta incapacidade da Câmara, o processo, que estava atrasado, começou da pior maneira”.

“Num passe de mágica”, prossegue o articulista do diário Público, a CMC acaba de “anunciar que o responsável pela candidatura será Luís de Matos, (…) ilusionista, com o seu mérito, mas a quem não é conhecida qualquer ideia sobre a cultura (curiosamente, integrou a Comissão de honra da campanha eleitoral de Manuel Machado e tem feito vários contratos com ele)”.

Para Carlos Fiolhais, “há do lado da CMC, que nem sequer consegue fazer uma feira do livro decente, um penoso vazio cultural”.

Não sendo eu tão pessimista quanto Carlos Fiolhais, confesso também recear que, “a continuar como começou, o projecto de [Coimbra] Capital Europeia da Cultura não passe de uma ilusão”.

A respaldar o meu receio avulta o comunicado divulgado, hoje, pela Comissão Concelhia do PS/Coimbra. Tantos encómios têm sempre o condão de me recordar do notável papel de Sir Humphrey Appleby na série televisiva “Yes, minister!” (da BBC). Como ensina o humor britânico, há coisas em que só devemos acreditar se forem desmentidas oficialmente…