Coimbra  28 de Maio de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Rui Avelar

Autárquicas: Se branco é…

11 de Maio 2017

A SIC/Notícias divulgou, quarta-feira (10) à noite, o apoio de Carlos Encarnação a José Manuel Silva, 11 horas antes de uma porta-voz do movimento “Somos Coimbra” o ter anunciado.

No começo de Março [de 2017], coube à SIC indicar que o anterior bastonário da Ordem dos Médicos se perfilaria para apear Manuel Machado (PS) protagonizando uma candidatura patrocinada pelo movimento Cidadãos por Coimbra. Por isso, CpC veio a sofrer uma dissensão e, em simultâneo, despontou o movimento “Somos Coimbra”, encabeçado por José Manuel Silva.

A 02 de Março, o anterior bastonário da OM disse ao “Campeão” ser prematura a notícia da sua candidatura a timoneiro da Câmara Municipal de Coimbra. “A verdade é que, formalmente, (ainda) não sou [candidato a autarca] e ainda não é definitivo que seja”, declarou, então, o médico.

Interpelado pelo nosso Jornal, a 01 de Março (que não era Dia das Mentiras), Silva negara tencionar candidatar-se, vincando que foram muito exigentes os dois mandatos como bastonário (nos triénios 2011 – 13 e 2013 – 16).

A 04 de Março, o “Campeão” noticiou que José Manuel admitia perfilar-se, como independente, para a presidência da principal autarquia de Coimbra.

Quanto ao anúncio do apoio de Carlos Encarnação, ex-presidente da Câmara conimbricense (PSD), ao anterior bastonário da OM, ocorre-me parecer haver preferência do antigo autarca pela «vingança servida a quente» ao fazer aquilo que está ao seu alcance em detrimento de Jaime Ramos.

Em 2001, Ramos esteve na iminência de ser o candidato do PSD à liderança do Município de Coimbra, estatuto que coube, então, a Carlos Encarnação. O detalhe reside na antipatia por que se pautaram as relações entre Jaime e Manuel Dias Loureiro e, ao invés, na simpatia subjacente ao relacionamento de Carlos com o antigo ministro da Administração Interna.

Está visto que, em Coimbra, o PSD se arriscava a ter Carlos Encarnação a meter-lhe «areia na engrenagem», excepto se o candidato do partido fosse o filho do antigo autarca.