Coimbra  26 de Setembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Transdev serve Ramal da Lousã com 21 autocarros

10 de Setembro 2018

Ainda sem a solução do “Metrobus”, o Ramal da Lousã está, desde o início do mês, a ser servido pela empresa Transdev, que irá assegurar o transporte as populações de Lousã, Miranda do Corvo e Coimbra nos próximos três anos.

A Transdev sucede à VT Bus, que terminou um contrato de três anos com a Comboios de Portugal (CP), e foi alvo de críticas pela própria autarquia lousanense, em Julho.

A 01 de Setembro iniciaram-se os serviços da Transdev, que ganhou o concurso lançado pela CP, em Abril, de cerca de cinco milhões de euros, fazendo um “balanço positivo desta primeira semana de operações”.

Este transporte alternativo no Ramal da Lousã está a ser assegurado por 21 viaturas e, só na primeira semana de operações, já percorreu cerca de 20 000 quilómetros.

“O balanço desta primeira semana de actividade é francamente positivo. Os transportes decorreram com grande normalidade e eficácia, nomeadamente no que respeita à adaptação aos ajustamentos nos horários”, sublinha André Leitão, director do Centro Operacional de Coimbra da Transdev.

O responsável realça que “o investimento em frota e na sua adequação às características dos serviços, incluindo veículos preparados para o transporte de pessoas com mobilidade reduzida, foi essencial para garantir o compromisso de segurança, fiabilidade e qualidade do serviço que assumimos com os passageiros, a CP e a Metro Mondego”, garantindo que “este contrato é de extrema importância para a Transdev, na medida em que nos permite reforçar a presença e melhor servir as populações na região de Coimbra”.

Os novos horários poderão ser consultados na página da Internet da Metro Mondego, em www.metromondego.pt, ou obtidos nas bilheteiras das estações de Coimbra, São José, Miranda do Corvo e Lousã.

Recorde-se que o transporte ferroviário no Ramal da Lousã deixou de operar em 2010, para aquilo que viria a ser o Metro Mondego, deixando as populações sem alternativas. Esse transporte nunca chegou a ser uma realidade, tendo o Governo apresentado uma alternativa apenas no ano passado – o “Metrobus”, que contempla 13 veículos eléctricos articulados, um investimento de 89,3 milhões de euros.

O concurso da obra do Sistema de Mobilidade do Mondego (SMM), segundo afirmou o Ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, será lançado no início do próximo ano.