Coimbra  20 de Outubro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Rosa Oliveira é a vencedora do Prémio Literário Fundação Inês de Castro

13 de Março 2018

Rosa Oliveira, docente da Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), venceu o Prémio Literário Fundação Inês de Castro 2017, com a obra “Tardio”, anunciou, hoje, a organização.

A 11.ª edição deste prémio foi atribuído à segunda obra da autora de Viseu, que é docente em Coimbra, sendo que a decisão do júri não foi unânime. O livro, editado há um ano pela Tinta-da-China, é a segunda colectânea de poemas de Rosa Oliveira e inclui diversas fotografias da sua infância e juventude.

“A presença das fotografias aqui, além das dedicatórias e homenagens que vão surgindo ao longo dos textos, são uma forma nostálgica de completar os textos. E é também a confirmação deste título, ‘Tardio’. Assumo perfeitamente que é tardio, que fui esta pessoa. Há aqui uma série de poemas que são biográficos. Senti que, para reforçar esta ideia de tardio, ir recuperar imagens do passado seria importante”, explicou a autora, em entrevista ao jornal ‘i’, por altura do lançamento.

O título de estreia, “Cinza”, foi editado em 2013, e inaugurou a colecção de poesia da editora, valendo-lhe o Prémio PEN Clube Primeira Obra. Rosa Oliveira, que é docente na Escola Superior de Educação de Coimbra (ESEC), conta, ainda, com diversos poemas editados em diferentes publicações literárias e antologias, além dos ensaios “Paris 1937” e “Tragédias Sobrepostas: Sobre ‘O Indesejado’ de Jorge de Sena”.

“Tardio” está, também, nomeado na categoria de Melhor Livro de Poesia do Prémio Autores, da Sociedade Portuguesa de Autores (SPA).

O júri da edição de 2017 foi constituído pelos professores, escritores e ensaístas José Carlos Seabra Pereira, Mário Cláudio, Isabel Pires de Lima, Pedro Mexia e António Carlos Cortez.

Rosa Oliveira sucede a Rui Lage, que, em 2016, venceu o galardão por “Estrada Nacional”, numa lista de premiados que inclui ainda José Tolentino Mendonça, Gonçalo M. Tavares e Mário de Carvalho, entre outros. A vencedora receberá um troféu da autoria do escultor João Cutileiro.

A Fundação Inês de Castro premiou, ainda, nesta edição, o ensaísta e crítico literário Eugénio Lisboa, autor de “Crónica dos Anos da Peste” e “O Ilimitável Oceano”, com o prémio de carreira.

Eugénio Lisboa nasceu em Moçambique, é especialista em José Régio, e foi docente de Literatura Portuguesa nas universidades de Maputo e Estocolmo. Entre 1978 e 1995 foi conselheiro cultural na Embaixada de Portugal, em Londres, e entre 1995 e 1998, presidente da Comissão Nacional da UNESCO. É houtor ‘Honoris Causa’ pela Universidade de Nottingham e pela Universidade de Aveiro. Eugénio Lisboa tem, no seu currículo, inúmeros prémios literários já conquistados.

Os dois galardões serão entregues, no próximo sábado (17), pelas 16h00, no hotel Quinta das Lágrimas, em Coimbra, estando convidado a presidir à cerimónia o ministro da Cultura, Luís Filipe de Castro Mendes.

Durante a cerimónia, António Carlos Cortez falará sobre a obra literária de Rosa Oliveira e, em especial, do livro premiado “Tardio”, já Pedro Mexia intervirá sobre a carreira e a obra de Eugénio Lisboa.

Eugénio Lisboa

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com