Coimbra  20 de Abril de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSD insiste em voos civis na base aérea de Monte Real e PS concorda

10 de Janeiro 2018

O Grupo Parlamentar do PSD apresentou, hoje, uma recomendação no sentido de o Governo adaptar a base aérea de Monte Real para receber voos civis, visando o desenvolvimento económico da região Centro, proposta com a qual o PS concorda.

A informação, divulgada esta tarde, é da autoria de um dos jornalistas destacados pela agência noticiosa Lusa para cobertura da actividade da Assembleia da República.

Na apresentação do projecto de resolução do PSD na Comissão de Economia, Inovação e Obras Públicas, no Parlamento, a deputada social-democrata Fátima Ramos defendeu que a abertura da base aérea de Monte Real a outros serviços é “importante para todo o país e para a região Centro […] porque permitiria desenvolver e potenciar a capacidade económica e exportadora”.

“Ajudava também a dinamizar territórios onde as condições de vida são piores porque estão mais desertificados, desde logo nos distritos de Leiria e de Coimbra, que foram fustigados pelos incêndios” do ano passado, acrescentou a economista.

Ao mesmo tempo, criar ali um aeroporto serviria para promover o turismo, realçou Fátima Ramos, lembrando que na região existe património classificado e “locais que atraem muitos visitantes”, como o Santuário de Fátima e a Universidade de Coimbra.

Localizada em Monte Real, concelho de Leiria, a BA nº. 05 é uma infra-estrutura militar da Força Aérea Portuguesa.

De acordo com a deputada do PSD, não existem entraves à concretização de tal medida, já que o Ministério da Defesa se “mostrou disponível para estudar o assunto”, os problemas ambientais “não têm sido levantados” e trata-se de “uma zona com bons acessos”.

“Não nos podemos esquecer que o próprio aeroporto de Lisboa está a ficar saturado e se esta base aérea puder ser usada para voos civis, de forma permanente, estamos a rentabilizar recursos”, salientou a economista.

De opinião semelhante, o deputado do PS Pedro Coimbra considerou ser “necessário abrir outros espaços a voos comerciais”, notando que isso poderá ser feito na base aérea de Monte Real “com poucas adaptações”. A seu ver, um aeroporto naquele local iria contribuir para a economia da região e até para a nacional.

O socialista falou, ainda, na necessidade de “maior capacidade aeroportuária” numa altura em que as infra-estruturas existentes “estão saturadas”.

“Eu tendo a apoiar e o PS tende a apoiar”, disse. Ainda assim, Pedro Coimbra lembrou que se fala nesta possibilidade há cerca de 40 anos, sem que qualquer medida avance.

A abertura da BA nº. 05 à aviação civil foi preconizada, em meados da década de 80 [do século XX], pelo então governante Carlos Mota Pinto, que foi vice-primeiro-ministro do IX Governo (executivo de coligação entre o PS e o PSD).

“Ou a base aérea de Monte Real abre já (…) a voos comerciais ou é preciso encontrar alternativas rapidamente, sendo que o aeródromo de Bissaya Barreto, em Coimbra, reúne todas as condições para o efeito, beneficiando da sua centralidade em relação a toda a região e às acessibilidades de excepção”, assinalou Pedro Coimbra.

Mais reticente mostrou-se, entretanto, o deputado do BE Heitor de Sousa, para quem “o projecto de resolução do PSD precisa de ser mais bem reflectido”.

Segundo o bloquista, uma das principais dificuldades à adaptação de Monte Real para receber voos civis são os acessos, desde logo por comboio, já que “o serviço ferroviário que a Linha do Oeste presta é uma coisa risível”.

“Defender um aeroporto na base aérea de Monte Real é querer fazer um aeroporto no meio do deserto”, alegou o parlamentar.

Heitor de Sousa sustentou, ainda, que a proposta do PSD serve apenas como “bandeira”, razão pela qual só deveria ser apresentada aquando das eleições legislativas do próximo ano.

Também Bruno Dias, do PCP, destacou ser “preciso assegurar que a operacionalidade da Força Aérea [que funciona no local] não é posta em causa”. “O que defendemos é um uso civil complementar”, adiantou o deputado comunista.