Coimbra  20 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

PSD: Ex-deputado contra excesso de “pára-quedistas”

31 de Janeiro 2018

Um ex-deputado do PSD é subscritor de uma proposta de revisão estatutária do partido para impedir a direcção de impor excesso de «pára-quedistas» nas listas de candidatos ao Parlamento.
«Pára-quedistas» é a denominação dada a figuras, geralmente lisboetas, que direcções partidárias destacam para círculos eleitorais distintos do da capital.
A proposta de António Rodrigues prevê uma quota máxima de 30 por cento para a direcção indicar candidatos a deputados à Assembleia da República (tomando como termo de comparação a legislatura anterior).
“Se, por exemplo, Lisboa tiver feito eleger 15 deputados, a Comissão Política Nacional (CPN) do PSD não pode indicar mais de cinco”, assinalou o ex-parlamentar.
António Rodrigues gostaria que esta e outras alterações fossem debatidas no próximo Congresso social-democrata, a realizar de 16 a 18 de Fevereiro, mas admite, no limite, que apenas sejam lá apresentadas.
Rodrigues foi vice-presidente do Grupo Parlamentar do PSD e é um dos membros eleitos pela AR para o Conselho de Fiscalização do Sistema de Informações da República Portuguesa (CFSIRP).
Paulo Colaço, membro do Conselho Nacional de Jurisdição do PSD, leva ao conclave uma proposta de revisão estatutária aspirando a determinar um entendimento entre a direcção partidária e as comissões distritais na escolha dos cabeças das listas para a Assembleia da República.
A sugestão prevê que tenha de haver “um entendimento” entre CPN e Comissão Política Distrital para escolha de quem encabeça a lista ao Parlamento num círculo eleitoral.
Na norma estatutária relativa às competências da CPN, actualmente, apenas se refere que lhe cabe “aprovar os critérios para a elaboração das listas de candidatos a deputados à Assembleia da República, nos termos do regulamento”.
Segundo a proposta de Paulo Colaço, este artigo passaria a referir que compete à direcção aprovar os critérios para a elaboração dos elencos de candidatos a deputados à AR, prevendo, nomeadamente, que o cabeça de lista em cada distrito seja escolhido pela CPN em harmonia com a Comissão Política Distrital do PSD correspondente a círculo eleitoral.
O líder eleito do Partido Social-Democrata, Rui Rio, manifestou-se, durante a campanha interna, contra quaisquer alterações estatutárias no próximo Congresso, defendendo que deverá ser realizada outra reunião para fazer o que chamou de “verdadeira revolução”.