Coimbra  17 de Novembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Greve/Médicos: Utentes queixam-se de dia “perdido” nos HUC

8 de Novembro 2017

Vários utentes saíram hoje dos Hospitais da Universidade de Coimbra a lamentar o adiamento de consultas face à greve dos médicos, falando de um dia “perdido” e “estragado”, ao contrário de outros que falam de um dia “normal”.

Adelino Pipa, de 67 anos, veio “à sorte” de Ourém para a consulta que tinha marcada de oftalmologia, sabendo de antemão da possibilidade de não ter consulta devido à greve nacional dos médicos convocada para hoje.

“Correu tudo bem, mas muitos médicos não estavam lá. Houve muita gente que se veio embora”, disse à agência Lusa o utente, contando que algumas pessoas se queixaram de andar 200 quilómetros para não ter consulta.

Vitória Costa saiu do hospital com ar desolado. Tinha uma consulta de otorrino marcada há três meses e saiu hoje, às 09h00, de Penacova para o hospital, em Coimbra.

A mulher de 65 anos não sabia que havia greve e lamenta, acima de tudo, o dinheiro (que “é muito pouco”) que teve de gastar no transporte.

“Para mim, estragou-me o dia. Gastei o dinheiro que não tenho [no transporte]”, sublinhou também Fernanda Carmo, de 64 anos, que saiu de Sangalhos, concelho de Anadia, para a consulta que acabou por não ter.

Já José Fernandes conseguiu ser atendido em oftalmologia, mas notou que outras duas pessoas tiveram que voltar para trás.

“Correu tudo bem. Foi um dia normal. É como se não houvesse greve”, nota Adérito Pardal, que esteve no serviço de hematologia.

Já Nelson Midões, apesar de não ter sentido o efeito da greve, notou “muito menos movimento” junto do hospital. “Isto normalmente é o caos e hoje até se anda com mais facilidade do que é normal”, constatou.

A greve dos médicos decorre hoje em todo o país e foi convocada pelo Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e Federação Nacional dos Médicos (FNAM) face à ausência de resposta do Governo às propostas dos sindicatos.

Os médicos reivindicam uma redução de horas extraordinárias anuais obrigatórias, as chamadas horas de qualidade (durante a noite), a redução do trabalho de urgência das 18 para as 12 horas semanais e a redução da lista de utentes por médico de família dos actuais 1 900 para os 1 500.