Coimbra  26 de Setembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Expofacic aposta em quatro eixos, com especial enfoque nas exposições

25 de Maio 2018

Idalécio Oliveira, Helena Teodósio e Pedro Machado

 

Música, gastronomia, negócios e exposições são os quatro eixos que constituem a identidade da Expofacic – Feira Agrícola, Comercial e Industrial de Cantanhede, que pretende continuar a “inovar e a renovar os factores de atractividade”.

O certame, que é já um dos maiores do país, foi apresentado, ontem (24), pela Comissão Organizadora, que destaca a “aposta na crescente valorização dos quatro eixos”, porque acreditam ser “a qualidade e variedade da oferta nessas vertentes que entusiasma públicos de todas as idades”, explicou Helena Teodósio, presidente da Câmara Municipal de Cantanhede e da Comissão.

Música

Pelo palco principal da Expofacic vão passar grandes nomes do panorama da música nacional, mas também alguns internacionais e que ajudaram a atrair visitantes à “feira-festa”.

De 26 de Julho a 05 de Agosto, o palco principal vai receber: Slow J e Club Banditz; Marcelo D2 e Beatbombers; Dire Straits Experience e os artistas portugueses: Miguel Ângelo; Xana; Viviane; Lena d’Água; Ana Deus; Rui Pragal da Cunha e Luís Portugal, Ana Bacalhau e Samuel Úria; Tony Carreira; HMB e Piruka; José Cid e The Waterboys; Ana Moura; Calema e Nelson Freitas; Miguel Araújo e Os Azeitonas; Mastiksoul e James Arthur; e os incontornáveis Xutos e Pontapés.

Exposições

Além de um cartaz de espectáculos já conhecido publicamente e que está “ao nível dos melhores do país”, a organização quer reforçar a atractividade do evento com “o investimento nas exposições

temáticas dirigidas a públicos específicos, com destaque para a grande mostra sobre o ‘Titanic’, que certamente irá fazer as delícias dos jovens e menos jovens”, salientou a responsável.

“Titanic – A reconstrução” é o título da exposição que estará em destaque este ano, numa tenda com 1 500 metros quadrados, e organizada em parceria com o Exploratório de Coimbra e a Fundação Titanic, nesta que é a estreia desta mostra em Portugal. No espaço, os visitantes poderão encontrar uma maquete do famoso navio em grandes dimensões.

Além desta, estarão, ainda, patentes uma exposição sobre a arte de trabalhar o vidro, proveniente da Marinha Grande, e que terá mestres vidreiros a trabalhar “ao vivo” na Expofacic; e uma outra mostra sobre o Santo António de Lisboa.

Como habitualmente, continuam a marcar presença as exposições sobre o mundo aquático e as espécies exóticas.

Negócios

Na vertente dos negócios, destaque para os perto de 500 expositores presentes no certame e distribuídos por 95 500 metros quadrados de área, dividida nos habituais sectores das anteriores edições. Segundo Helena Teodósio, “o efeito mobilizador dos concertos beneficia todos os sectores, a começar pela feira de actividades económicas, onde empresas do concelho e de todo o território nacional, além de algumas oriundas de outros países, exploram oportunidades de negócio e promovem os seus produtos ou serviços”.

Neste eixo incluem-se as inúmeras empresas da área automóvel, comercial, industrial e serviços, bem como os espaços reservados ao artesanato nacional e internacional e os produtos regionais.

Gastronomia

Este é, a par do cartaz musical, um dos focos de maior atractividade à Expofacic, contando este ano com 47 tasquinhas, sendo que 44 delas são dinamizadas por associações do concelho de Cantanhede. Neste espaço é destinada uma tasquinha para São Tomé e Príncipe, outra para Rio Maior, três restaurantes, e três tasquinhas para ‘carnes nobres’: marinhoa, aroquesa e maronesa.

Uma das novidades nesta área prende-se com a mudança em seis tasquinhas que, pela primeira vez, ficarão de frente para a zona do relvado e, por conseguinte, para o palco aí instalado.

Para os produtos regionais, sempre presentes no certame, estão reservados 24 espaços.

Este é, para a presidente da Comissão Organizadora, “uma área de visita obrigatória, que além de proporcionar um autêntico roteiro gastronómico do concelho, funciona como ponto de encontro propício para a confraternização de famílias e grupos de amigos”.

A Feira Popular, a área dedicada à educação e à saúde, juntas de freguesia, municípios e instituições, a zona do relvado, dedicado aos mais novos; bem como a área agrícola com o picadeiro, continuam a ser parte integrante do recinto da Expofacic, o qual voltará a incluir a zona dedicada à ‘street food’, este ano um pouco maior, com seis locais de venda ambulante e um dos sete palcos da feira.

Serviços como o acampamento ocasional; o Expofacic Bus (este ano com reforço de mais uma linha para a Praia da Tocha); 15 parques de estacionamento para o público geral, um para autocarros e dois para expositores; o hospital de campanha e posto de primeiros socorros; o circuito interno de televisão (Expofacic TV) e sonorização; acesso à Internet em todo o recinto; bem como fraldários e pulseiras identificativas para todas as crianças continuam a fazer parte das medidas implementadas pela Comissão Organizadora nesta 28.ª edição.

Os dias temáticos voltam, também, a acontecer, este ano com destaque especial para o “Dia Verde” (04 de Agosto), uma vez que o certame viu ser aprovada a sua candidatura ao programa “Sê-lo Verde”, do Ministério de Ambiente, o que implica a implementação de diversas medidas ambientais durante o certame (como a distribuição de copos reutilizáveis e a colocação, no recinto, de três pontos de água potável).

Outra das novidades deste ano é a abertura de uma nova entrada, com bilheteiras, junto ao palco Super Bock, de forma a “descomprimir a entrada junto às tasquinhas”.

Na cerimónia de apresentação, o novo presidente da INOVA, Idalécio Oliveira destacou a notoriedade da feira, garantindo que a intenção é que “se continue a afirmar como a maior e melhor do país”. O responsável realçou, ainda, “o modelo próprio do certame, com elevados níveis de adesão do público, e um interesse crescente por ser um evento de carácter transversal a todas as idades”.

“A Expofacic é, indiscutivelmente um evento que traz importantes benefícios, nomeadamente os que decorrem da enorme projecção que proporciona ao concelho na divulgação do seu potencial económico e da sua dinâmica social”, adiantou Helena Teodósio, não esquecendo os agradecimentos a João Moura, anterior presidente da Câmara, e a Patrocínio Alves, ex-presidente da Inova.

Como parceiro principal, a Expofacic continua a ter o Turismo do Centro, cujo presidente Pedro Machado, deixou rasgados elogios ao certame e à sua organização.

“O Turismo associa-se a este evento porque ele é gerador de negócios e a área turística depende muito das empresas que estão nesse circuito e cuja dimensão empresarial a feira encerra, sendo um factor distintivo”, afirmou Pedro Machado, destacando, também, a componente da animação e da gastronomia, num concelho “muito efervescente, com uma ligação permanente à cozinha e aos produtos endógenos”.

Para o responsável, a Expofacic cria “uma atractividade turística muito interessante, cuja duração [11 dias] ajuda a combater um dos problemas que ainda existe na região, que é a permanência dos turistas”, considerando as exposições como “a componente diferenciadora” de um evento que é já uma “referência nacional e internacional”.

O orçamento da Expofacic para 2018 é de 1,6 milhões de euros, mais 107 000 do que na edição anterior, contudo, “a Câmara Municipal não subsidia, o evento tem tido resultados sustentados, não tem necessidade de subsídio da autarquia”, disse Helena Teodósio.

A autarca adiantou que a Expofacic se organiza com receitas “de entradas, patrocinadores e publicidade”, a que se juntam, este ano, 10 000 euros do Turismo Centro de Portugal e que a despesa com o evento “vai ser suportada por toda a receita previsível que vai entrar”.

Quanto à afluência de visitantes nos 11 dias do evento, a também presidente da Comissão Organizadora espera “números semelhantes aos anteriores”, que se situam nas cerca de 385 000 entradas.

Os bilhetes diários para a Expofacic custam quatro euros (à excepção do dia 04 de Agosto, que terá o valor de 10 euros). Já o passe geral, para todos os dias, terá o custo de 35 euros. Quer os pontuais, quer o geral estão já à venda na Internet, na BOL.