Coimbra  17 de Novembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

ESA BIC Portugal celebra terceiro aniversário com cinco novas empresas

14 de Novembro 2017

O Instituto Pedro Nunes (IPN), em Coimbra, coordena a incubadora de empresas portuguesas da Agência Espacial Europeia em Portugal (ESA BIC) desde 2015 e as comemorações do terceiro aniversário, amanhã (15), a partir das 15h00, incluem a apresentação de cinco novas empresas.

O ESA BIC trata-se de uma entidade que apoia startups especializadas em tecnologia espacial aplicada a áreas como a saúde, energia, transportes, segurança e vida urbana.

Nos últimos três anos, surgiram 16 empresas e 56 novos postos de trabalho, que estão a ser aplicados no desenvolvimento da tecnologia do Espaço em sectores terrestres e com uma capacidade de exportação de 40 por cento e um retorno anual de quase 900 000 euros em 2016.

Neste aniversário, o ESA BIC anuncia a entrada de cinco novos projectos e a graduação de seis startups que, com o apoio deste programa, conseguiram atingir um estágio dematuridade.

Segundo Carlos Cerqueira, director de Inovação do IPN e cooordenador do programa, o ESA BIC Portugal “demonstra a maturidade da indústria espacial portuguesa e a capacidade de as startups portuguesas encontrarem novas soluções e negócios para o mercado terrestre a partir de tecnologias espaciais”.

A “Horizontal Cities”, “Stratio”, “Tesselo”, “Fibersail” e “Theia” são as cinco novas empresas que se juntam às restantes apoiadas e que aplicam tecnologia inicialmente pensada para o Espaço em áreas como os transportes, recursos naturais, indústria de manutenção e arqueologia.

Já a atingir a maturidade (o que significa que sobreviveram à fase de startup) estão a “Active Aerogels”, “Findster”, “D-Orbit”, “Space Layer Technologies”, “Airborne Projects” e “Eye2map”.

Nas comemorações de amanhã, além da apresentação de resultados do ESA BIC Portugal, das novas empresas e da apresentação dos projectos ARTES (ISA, ISQ e INDRA), vai, ainda, marcar presença o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, que irá intervir depois da sessão inaugural.

A abrir o evento, pelas 15h00, vão discursar Teresa Mendes, presidente do IPN; João Gabriel Silva, reitor da Universidade de Coimbra; Carlos Brito, vice-reitor da Universidade do Porto; Diogo Agostinho, da Câmara Municipal de Cascais; Ana Abrunhosa, presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro (CCDRC); e Manuel Machado, presidente da Câmara Municipal de Coimbra.

O ESA BIC Portugal é liderado pelo IPN e tem polos no Parque de Ciência e Tecnologia da Universidade do Porto e na agência DNA Cascais. É um programa enquadrado no projecto financiado pelo Centro 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional “SIAC ESA BIC”.

Projecto SOUL, da Space Layer Technologies vence “Óscar do Espaço”

O SOUL (Sensor Observation of Urban Life), da empresa Space Layer Technologies, incubada na Agência Espacial Europeia no IPN, venceu um prémio europeu com uma aplicação que permite monitorizar a poluição ambiental em zonas urbanas.

A edição 2017 dos prémios Copernicus Masters, considerados como os Óscares do Espaço, atribuiu 17 galardões, entre os quais um a este projecto conimbricense.

O júri reconheceu o contributo que a solução SOUL pode trazer ao oferecer uma aplicação para ‘smartphone’ “através da qual os cidadãos podem monitorizar a poluição nas suas cidades”, combinando dados oriundos de tarefas governamentais e instituições públicas numa aplicação “muito amigável”, lê-se no texto justificativo do prémio.

Adianta que a aplicação desenvolvida pela empresa de Coimbra pode ajudar a melhorar a saúde pública e a diminuir custos, evitando desnecessárias hospitalizações, por exemplo, de doentes com patologias do foro respiratório.

Paulo Caridade, da Space Layer Technologies, afirmou à agência Lusa que o galardão, “mais do que um prémio para a empresa, é o reconhecimento do trabalho de uma equipa de colaboradores pelo empenho que têm tido ao longo de dois anos”.

O responsável explicou que, embora a aplicação SOUL já esteja desenvolvida “ainda não está no mercado”, já que os responsáveis do projecto pretendem sustentá-lo, primeiro, através de um “parceiro forte” para com isso ganhar escala antes de ser distribuído a nível europeu.

A Space Layer Technologies é uma das seis startups da incubadora da Agência Espacial Europeia (ESA BIC Portugal) que já atingiu a maturidade após dois anos de incubação e evoluiu para uma segunda fase de apoio.