Coimbra  20 de Outubro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Dia Mundial da Visão sensibiliza para a importância da saúde visual

12 de Outubro 2017

O Dia Mundial da Visão comemora-se, anualmente, na segunda quinta-feira de Outubro, que em 2017 é, precisamente, no dia de hoje.

A efeméride pretende sensibilizar a população para a saúde visual e os cuidados a ter, incentivando todos os cidadãos a fazerem um exame oftalmológico.

Num artigo publicado a 02 de Agosto na revista “The Lancet” estimava-se que, em 2015, existissem 36 milhões de pessoas cegas, 217 milhões tinham uma deficiência visual moderada ou severa e 188 milhões teriam algum problema de visão, uma condição que, por vezes, poderá facilmente ser corrigida através do uso de óculos.

A maioria das pessoas cegas encontram-se no Sul, Este e Sudeste da Ásia, contudo, a prevalência da cegueira por idade era maior na África sub-sariana ocidental e oriental. O que se verifica é que 89 por cento das pessoas com deficiência visual vivem, precisamente, em países de baixo e médio rendimento, enquanto que 55 por cento dos deficientes visuais são mulheres.

O artigo da “The Lancet” prevê, ainda, que o número de pessoas afectadas pela cegueira, em 2020, será de 38, 5 milhões, aumentando exponencialmente para 115 milhões em 2050.

Outros dados, datados de 2010, referem que quatro em cada cinco pessoas cegas ou deficientes visuais poderiam ter evitado essa sua condição, até porque os erros de refracção não corrigidos são a principal causa de deficiência visual.

Em 2010, os dados apontavam para que 65 por cento dos deficientes visuais e 82 por cento das pessoas cegas teriam mais de 50 anos. No que diz respeito às causas, estima-se que as cataratas são a principal causa de cegueira. Como causas para a deficiência visual, estas estatísticas adiantam os erros de refracção, as cataratas e o glaucoma; já as prinicipais causas da cegueira são apontadas as cataratas, o glaucoma e, também, a degeneração macular relacionada com a idade.

Contudo, segundo o mesmo estudo, o número de pessoas com deficiência visual por doenças infecciosas reduziu bastante nos últimos 20 anos.

Em 2013, a 66.ª Assembleia Mundial da Saúde aprovou, por unanimidade, o ‘Plano de Acção Global para a Prevenção da Cegueira Evitável e Deficiência Visual’ 2014-2019. O objectivo deste documento é ajudar os países na redução da prevalência da deficiência visual, um problema que é global e de saúde pública, além de pretender um acesso seguro a serviços de reabilitação de deficiência e desenvolver e implementar políticas de saúde ocular nacionais e integradas.

Também em Portugal, a Direcção Geral da Saúde (DGS) lançou, em Maio de 2016, o Programa Nacional para a Saúde da Visão, que visa, essencialmente: “reduzir a incidência e a prevalência previsíveis de cegueira e de casos de perda de visão associados a patologias passíveis de serem tratadas de forma adequada; reduzir a proporção de problemas de saúde da visão não diagnosticados, nas crianças, nos jovens e na população adulta; e reduzir a proporção de problemas de saúde da visão determinantes de perda de funcionalidade e independência nas pessoas com idade superior ou igual a 55 anos”.

O Programa Nacional deverá ser operacionalizado pelos serviços de saúde, num horizonte temporal que se estende até 2020, através de diversas estratégias, das quais se salienta a Rede Nacional de Referenciação em Oftalmologia, desenvolvida em 2006 e aprovada por despacho do Secretário de Estado Adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, a 04 de Janeiro de 2016.