Coimbra  25 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Condeixa: Invasões Francesas ganham “dimensão e rigor histórico”

24 de Maio 2018

Liliana Pimentel, Nuno Moita e Rui Miranda

 

Condeixa assinala a partir de amanhã, sexta-feira (25), e durante três dias as Invasões Francesas, ocorridas em 1811 e que muito fustigaram o concelho, sendo a última das guerras em território nacional, segundo as actuais fronteiras.

O centro de Condeixa foi incendiado e o combate de Casal Novo terá sido memorável, significando a expulsão definitiva dos franceses, à época liderados pelo general Massena.

“É algo que faz parte da nossa identidade, que nos distingue, pela presença do exército, pela interacção com a população local, pelas marcas que deixaram”, salientou o presidente da Câmara, Nuno Moita, hoje, na apresentação do evento que juntará cerca de uma centena de figurantes e se pretende afirmar como mais um “produto cultural-turístico”.

A iniciativa, que vai para a terceira edição, esta com “maior dimensão e rigor histórico”, começa sexta-feira, com a abertura (18h00) do Mercado Oitocentista (uma das novidades deste ano), que funcionará durante três dias na Praça da República, onde não faltará animação com a Oficina de Teatro de Condeixa, “Gaitas e Pifaradas” e “Gaitas e Boatos”.

À noite, pelas 21h30, nos Paços do Concelho, terá lugar um Baile Iluminista, com a actuação da Orquestra Dr. João Antunes e grupo musical ComCordas, seguido da recriação do Incêndio do Palácio dos Figueiredos pelos Franceses.

No sábado (26), pela manhã (10h00), há exercícios militares na Praça da República. Para as 22h00 estão “agendados” combates de rua/expulsão dos franceses. Às 23h00 tem início uma Serenata Futrica Coimbrã.

No domingo (27), pelas 12h00, decorre a recriação da Batalha do Casal Novo, incluindo o combate corpo a corpo entre tropas francesas e Aliados com peças de artilharia. Pelas 16h00, actua a Banda Oitocentista de Vila Nova de Anços (Soure).

O município de Condeixa, que investe cerca de 25 000 euros na realização, lançou o desafio a Associações de Recriação Histórico-Militar Portuguesas e a algumas estrangeiras, estando confirmada as presenças do Grupo de Recriação Histórico-Militar de Almeida e a Associação Napoleónica, com cerca de uma centena de recriadores.

A autarquia promove ainda um passeio turístico e cultural de visita guiada pelo “circuito dos combates” aqui travados aquando da 3.ª Invasão Francesa.

Jornal Terras de Sicó