Coimbra  17 de Novembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra, Tomar, Alcobaça e Batalha unidas pelo Património da Humanidade

13 de Novembro 2017

“Património Mundial Centro de Portugal”. É esta a nova marca da região Centro, que pretende ligar e valorizar os seus quatro lugares Património Mundial da UNESCO: mosteiro de Alcobaça, mosteiro da Batalha, Universidade de Coimbra, «Alta» e Sofia e o convento de Cristo (Tomar).

Promover, valorizar e dinamizar estes espaços culturais de importância nacional e, também, internacional, é o principal objectivo do projecto “Rede de Lugares Património Mundial”, que foi apresentado, hoje, na Sala dos Capelos da Universidade de Coimbra, na presença das suas entidades promotoras.

No sentido de “serem criadas referências turísticas de excelência, que estimulem e alavanquem a restante oferta turística cultural da região e se constituam como inspirador para todo o território”, a Turismo Centro de Portugal, a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento da Região Centro (CCDRC) e municípios envolvidos mobilizaram-se e desenvolveram, em rede, este projecto, que é “de extrema importância, até pelo crescimento exponencial da atractividade turística, aproveitando esse facto para chamar a atenção para o eixo cultural”, explicou Pedro Machado, presidente da Turismo do Centro. “Este projecto de identidade, de marca nacional e internacional, tem a vantagem de trabalhar em rede e de forma integrada, não olhando, por isso, apenas para estes quatro lugares Património Mundial mas para todo o território”.

Trabalhando, então, em conjunto com os quatro territórios: Coimbra, Médio Tejo, Leiria-Fátima e Oeste, o produto “Património da Humanidade Centro de Portugal” propõe-se, durante os próximos dois anos, a desenvolver diversas acções culturais para valorização turística “dos recursos únicos existentes nesta região”, em vertentes como a programação cultural, a educação, a hospitalidade turística e a comunicação, sendo o primeiro dos objectivos a requalificação da oferta turística proposta nestes lugares, tornando a visita ainda mais atractiva através da oferta de programas educativos e culturais.

Além disto, que ajuda à promoção e dinamização, o projecto servirá para: contribuir para a afirmação da região Centro como destino turístico de excelência; criar uma rede patrimonial da região, unindo as cidades detentoras de monumentos classificados; atrair novos públicos e mercados; aumentar a estadia dos visitantes na região; bem como qualificar os recursos humanos, quer públicos como privados que actuam no sector do turismo.

Pedro Machado destacou, ainda, a importância do projecto “para reerguer a região”, já que trará “consequências directas e indirectas” para todos os envolvidos no turismo.

Portugal e Centro 2020 ajudam a alavancar o projecto

A presidente da CCDRC, Ana Abrunhosa, sublinhou a “abordagem inovadora” deste novo quadro comunitário (Centro 2020), onde se integra o projecto, que “destina a maior parte das verbas para uma utilização em rede, por vários intervenientes”. No total são 22 milhões de euros afectos à recuperação de monumentos nacionais, que resultarão na recuperação de lugares que, caso contrário, continuariam fechados ou a degradarem-se cada vez mais.

No caso dos sítios de Coimbra, Batalha, Alcobaça e Tomar que integram a lista de Património Mundial da UNESCO irá ser feito ao longo dos próximos dois anos um investimento superior a 2,2 milhões de euros.

“Este tem de ser um projecto exemplar, e está a sê-lo, pela capacidade de envolvimento de todas as entidades”, opinou a responsável, acrescentando que outro dos objectivos passa, também, por dar ferramentas aos cidadãos destes territórios para que eles mesmos “divulguem o seu património e sejam os seus guias-turísticos”.

Este projecto irá, ainda, associar-se ao Ano Europeu do Património Mundial, que se irá celebrar em 2018, de forma a “ser um polo de uma rede europeia e transformar este num produto turístico de excelência”.

Na cerimónia de apresentação do projecto marcaram, ainda, presença Clara Almeida Santos, vice-reitora da UC, em representação do reitor João Gabriel Silva; os autarcas dos quatro municípios envolvidos; Celeste Amaro, directora regional da Cultura do Centro, em representação do ministro da Cultura, Luís Filipe Castro Mendes; bem como João Ataíde, presidente da Comunidade Intermunicipal da Região de Coimbra (CIM-RC), entre outros representantes das 12 entidades envolvidas no projecto.

Mosteiro Alcobaça - Fernando Guerra

Mosteiro Alcobaça – Fernando Guerra

Mosteiro Batalha - Alexandre Delmar

Mosteiro Batalha – Alexandre Delmar

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Univ. Coimbra - Óscar Almeida

Universidade de Coimbra – Óscar Almeida

Convento de Cristo de Tomar – Nuno Moreira