Coimbra  16 de Dezembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Movimento extingue-se com evocação de Humberto Delgado

7 de Junho 2018

O Movimento Republicano de 05 de Outubro (MR5O) vai extinguir-se amanhã (sexta-feira), em Coimbra, com uma evocação de Humberto Delgado, o general que há 60 anos desafiou Salazar como candidato presidencial da oposição democrática.

A acção realiza-se junto ao monumento ao 25 de Abril, na rua de Antero de Quental, às 19h00, com intervenção de fundadores do MR5O, segundo José Dias, um dos promotores.

“Em 2018, 60 anos depois, mantém-se a necessidade deste exercício da memória” das eleições presidenciais realizadas no dia 08 de Junho de 1958, acrescentou.

No mês passado, com a Associação de Exilados Políticos Portugueses e entidades locais, José Dias foi um dos organizadores, no distrito de Coimbra, de quatro sessões comemorativas dos acontecimentos políticos, sociais e culturais do Maio de 1968, em Coimbra, Lousã, Miranda do Corvo e Condeixa-a-Nova.

O MR50 foi criado em Coimbra, em 2008, com o propósito de “contribuir para a divulgação do republicanismo” e participar nas celebrações do centenário da implantação da República em Portugal, que decorreram por todo o país, em 2010.

Comemorar as datas republicanas do 31 de Janeiro e do 5 de Outubro e “integrar o movimento cívico pela reposição” deste feriado nacional, o que viria a concretizar-se em 2016 por iniciativa do actual Governo, foram outros dos objectivos dos fundadores Amadeu Carvalho Homem, Anabela Monteiro, Carlos Esperança, Fernando Fava e José Dias.

Ao fim de 10 anos, o grupo considera “esgotada a agenda cívica a que se propôs, dando por concluída a sua existência”, seis anos após a morte, em 2012, do major-general e “militar de Abril” Augusto Monteiro Valente, que também esteve na criação do MR5O.

Contudo, o movimento “continuará individualmente, da forma e no local que cada um dos seus membros entenda como mais conveniente”, segundo uma nota que divulgaram.

Na sexta-feira, na “acto cívico evocativo das presidenciais de 08 de Junho de 1958 e de homenagem ao marechal Humberto Delgado”, popularmente conhecido pelo epíteto de “General Sem Medo”, os promotores não deixarão de recordar a passagem deste pela cidade do Mondego, há 60 anos, no dia 31 de Maio, no auge da campanha eleitoral, tendo como adversário o candidato da situação, Américo Tomás.

Nesses acontecimentos, destacou-se o antifascista Manuel Ramalho Gantes, de 92 anos, que tinha estado na dinamização da candidatura de Arlindo Vicente à Presidência da República e depois na negociação que permitiu a desistência deste a favor de Delgado.

Quando o “General Sem Medo” falou à multidão, em Coimbra, o estudante Ramalho Gantes, membro da República dos Kágados, e o advogado comunista Alberto Vilaça conseguiram iludir a PIDE e demais forças policiais, que tentavam impedir Delgado de chegar à “Baixa”, onde era esperado por milhares de pessoas.

A partir do Calhabé, Gantes, Vilaça e a mulher deste, Natércia, foram num carro à frente do descapotável do candidato da oposição, conduzindo-o por vias secundárias que a polícia política tinha deixado a descoberto, até chegarem sem grandes problemas ao largo da Portagem, onde o general foi recebido em festa pela multidão.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com