Coimbra  17 de Novembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Machado reconhece erros na rotunda do Arnado

13 de Novembro 2017

O presidente da Câmara Municipal de Coimbra reconheceu, hoje, a “necessidade de rectificação” da rotunda do Arnado devido “a erros” de concepção.

Manuel Machado (PS) deu a «mão à palmatória» ao ser interpelado pela vereadora eleita pelo movimento “Somos Coimbra”, Ana Bastos. Professora universitária, a edil trabalhou na Divisão de Trânsito e Transportes da principal autarquia de Coimbra entre meados de 1991 e Dezembro de 1994.

“O figurino não é assim tão bom”, sendo incompatível com boa gestão do tráfego urbano, advertiu a autarca, cuja especialização profissional a habilita para questões de urbanismo, transportes e vias de comunicação.

De resto, segundo a edil, se fosse mais intenso o afluxo de viaturas, a rotunda não funcionaria.

Ao circularem no sentido Norte – Sul da avenida de Fernão de Magalhães, os condutores encontram três setas, pintadas no pavimento, a «empurrá-los» para a direita devido a minguarem as faixas de rodagem na abordagem à rotunda.
Em matéria de tráfego automóvel, trata-se de uma insólita machadada na respectiva fluidez; quanto
ao desaparecimento da faixa mais à esquerda, talvez se trate de uma medida inédita.
A rotunda que a Câmara de Coimbra construiu no largo do Arnado teve de ser encolhida, na
extremidade a Sul, antes da conclusão da obra, para facilitar a circulação dos autocarros provenientes do largo da Portagem.

“Considera-se tecnicamente inapropriada a colocação do monumento na ilha central” do largo do Arnado, assinalou Ana Bastos.

Segundo a docente universitária, todos os manuais técnicos da especialidade (nacionais e estrangeiros) apontam para a não colocação de obstáculos rígidos no interior das ilhas centrais de rotundas e praças (principalmente se forem de pequena dimensão, como é o caso).

A proximidade entre a entrada sul (avenida de Fernão de Magalhães) e a saída para a rua de Simões de Castro revela-se necessariamente na geração de conflitos (e muito previsivelmente em pequenos embates) entre os veículos que pretendem entrar na rotunda e sair dela, advertiu a vereadora.

Para Ana Bastos, a maioria dos problemas apontados são estruturais e resultam da consolidação do espaço envolvente, pelo que são incompatíveis com a adopção de intervenções pontuais e de baixo custo.

“Lamentavelmente, o figurino implementado no cruzamento do Arnado reflecte a falta de visão de futuro da Câmara, tratando-se de uma intervenção meramente pontual, sem qualquer pensamento e integração numa estratégia global e coordenada de transportes, de que a cidade de Coimbra tanto carece e que permanece tristemente adiada, afastando a cidade e o concelho de Coimbra das mais modernas tecnologias de gestão de tráfego”, concluiu a autarca.

Paulo Leitão (PSD) gracejou que Ana Bastos teve a ousadia de pôr em xeque “um especialista em tráfego urbano” como é o líder do Município conimbricense.

Manuel Machado deu réplica à «alfinetada» do vereador dizendo que nunca seria implantada uma rotunda como a do Almegue (adjacente à Escola Superior Agrária de Coimbra) se fosse ele o timoneiro da CMC no quadriénio 2009 -13.