Coimbra  16 de Agosto de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: CpC lança petição por nova maternidade nos Covões

9 de Maio 2018

O movimento Cidadãos por Coimbra (CpC) anunciou, hoje, que lançou uma petição à Assembleia da República em defesa da construção da nova maternidade no Hospital dos Covões e não nos HUC.

“A construção da nova maternidade deve ser programada segundo critérios de desenvolvimento harmonioso da cidade e da região, constituindo uma oportunidade de ouro para a reposição no Hospital dos Covões das especialidades, valências e meios indispensáveis, mas, também, para a melhoria dos acessos da rede viária principal à margem esquerda do Mondego”, referiu Jorge Gouveia Monteiro, coordenador do CpC.

Rui Pato, médico e antigo presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar de Coimbra, recordou que num plano estratégico, outrora apresentado ao ministro Correia de Campos, estava prevista a nova maternidade nos Covões.

“Nos Covões temos excelente bloco operatório e unidades de cuidado intensivo. Assim, o importante é valorizar a margem esquerda, uma ideia que já Bissaya Barreto defendia. Porquê gastar mais dinheiro construindo uma nova maternidade nos HUC se não há razões médicas, científicas e urbanísticas que o justifiquem?”, questionou.

António Rodrigues, médico de família no Centro de Saúde Celas, lamentou que o assunto “seja discutido, por alguns, numa lógica de cada cabeça, cada sentença”, recordando que em Março do ano passado o secretário de Estado da Saúde nomeou uma comissão para estudar a localização da nova maternidade, mas “o relatório deste grupo de trabalho nunca foi conhecido e continua no segredo dos deuses”.

Por outro lado, Paulo Saraiva, eleito pelo CpC na União de Freguesia de S. Martinho do Bispo e Ribeira de Frades, informou que este tema já tinha sido abordado nas reuniões daquela autarquia e na de Santo António dos Olivais, as quais “tomaram uma posição clara rejeitando a instalação da maternidade nos HUC, porque é acrescentar caos ao caos”.

O CpC apelou aos cidadãos para que “em nome da boa saúde materno-infantil e da correcta utilização dos recursos nacionais”, se pronunciem por todos os meios, designadamente através da petição à Assembleia da República, que pode ser assinada on line em: https://peticaopopular.com/view.aspx?pi=CpC#.Wum9p3xroww.facebook.