Coimbra  13 de Dezembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra: Ciclo de Requiem viaja por várias épocas da música coral

9 de Março 2018

 Eduarda Oliveira (associação Ecos do Passado) e Artur Pinho Maria (maestro)

 

O Ciclo de Requiem em Coimbra arranca amanhã (sábado) com um concerto na capela de São Miguel da Universidade de Coimbra, pelas 21h30, numa edição que procura fazer uma viagem pelas várias épocas da música coral sinfónica.

A capela de São Miguel da Universidade de Coimbra recebe a estreia da sexta edição do Ciclo de Requiem, com um concerto de um grupo vocal de Vila Nova de Famalicão (Capella Musical Cupertino de Miranda) dedicado a composições de Pedro de Cristo, “algumas em primeira apresentação”, segundo o Coro Sinfónico Inês de Coimbra, entidade que organiza o ciclo.

“O génio musical de D. Pedro de Cristo tem sido objecto de estudo aprofundado, já que muitas das suas obras encontram-se, ainda, por revelar”, sublinha a organização, referindo que o espólio do compositor “está à guarda da Biblioteca da Universidade de Coimbra”.

O ciclo, que decorre até 06 de Abril, apresenta cinco concertos em vários espaços da cidade e conta com a participação de quatro coros e três orquestras, que totalizam mais de meio milhar de músicos.

O maestro Artur Pinho Maria explica que a edição deste ano “representa uma viagem pelas várias épocas da música coral sinfónica” e depois do concerto em torno da obra de Pedro de Cristo, segue-se a interpretação de “Requiem” de Giuseppe Verdi, no dia 17 de Março, pelas 21h30, na antiga Igreja do Convento São Francisco, com o Coro do Departamento de Comunicação e Arte da UA e a Orquestra Filarmonia das Beiras.

A 24 de Março, dá-se “um salto até ao século XXI”, com um concerto em que estreia “Quasi un Requiem”, da autoria do jovem compositor português Nelson Jesus, no Conservatório de Música de Coimbra, com o Coro Sinfónico Inês de Castro e a Banda Marcial de Fermentelos.

A 28 de Março haverá uma homenagem a João Evangelista, padre da Sé Velha que faleceu em Dezembro de 2017, ao qual é dedicada uma obra do francês Maurice Duruflé, na capela da Santa Casa da Misericórdia de Coimbra, tento como intérpretes a Capella Duriensis.

O ciclo termina a 06 de Abril, com a “Criação”, de Joseph Haydn, obra interpretada pelo Coro Sinfónico Inês de Castro e a Orquestra do Norte, num concerto dirigido por Artur Pinho Maia, no grande auditório do Convento São Francisco.

O bilhete para cada concerto custa 10 euros e o bilhete geral para todo o ciclo fica a 40 euros.

 

WP Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com