Coimbra  23 de Setembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Coimbra acolhe I Encontro Internacional de Cafés Históricos da Europa

16 de Abril 2018

Na foto, ao centro, Vassilis Stathakis (presidente da EHICA) e Vítor Marques (presidente da Associação dos Cafés com História de Portugal)

 

Um dos cafés mais emblemáticos da cidade de Coimbra, o café de Santa Cruz, acolhe, na próxima sexta-feira (20) e sábado (21), o I Encontro Internacional de Cafés Históricos da Europa.

O evento, que reúne os responsáveis de alguns dos estabelecimentos mais emblemáticos da Europa e que integram a Associação Europeia dos Cafés Históricos (EHICA), terá como lema “Os Cafés Históricos como Património Cultural” e vai ter algumas iniciativas, também, na Casa da Escrita.

O encontro, levado a cabo pela EHICA em parceria com a Associação dos Cafés com História de Portugal, pretende discutir temas relevantes para os cafés que integram estas associações, procurando “a partilha de experiências, as sinergias entre todos e tornar mais evidente o papel dos cafés históricos na sociedade”, explicou Vítor Marques, presidente da Associação portuguesa.

Durante estes dois dias serão debatidos temas de interesse a estes estabelecimentos, cujas características comuns de “longevidade, preservação de tradições e memórias”, fazem deles locais únicos e cujas estratégias os permitiu chegar até aos dias de hoje, adaptando-se às exigências dos mercados. Vê-los como parte da história e da cultura de uma cidade é, então, o grande objectivo dos promotores desta iniciativa, que se realiza no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural e da 20.ª Semana Cultural da Universidade de Coimbra.

Nas sessões, públicas e de entrada livre, com intervenções iniciais de um conjunto de convidados, vão ser abordados temas como “A importância dos Cafés na transformação da esfera pública”; “Os Cafés Históricos e as Redes de Património Cultural” e “Os Cafés Históricos como Património Turístico”.

Vítor Marques explicou que há alguns pontos essenciais para a Associação europeia a serem abordados durante este encontro, desde logo a “criação de uma rota europeia dos ‘Cafés com História’; a “criação de um Dia Europeu dos Cafés Históricos (possivelmente instituído a 08 de Abril), para que todos os cafés possam ter eventos nesse dia”; e a “criação de um passaporte, para que as pessoas registem as suas visitas aos diversos estabelecimentos em toda a Europa”.

O responsável pelo café de Santa Cruz e pela Associação Portuguesa esclareceu, ainda, que o objectivo passa, também, por ver estes cafés “integrarem os roteiros turísticos das cidades, de forma a criar uma ‘obrigatoriedade’ para que as pessoas os visitem”, adiantando que isso potenciará a entrada dos cafés históricos na lista de Monumentos de Interesse Público.

A Associação dos Cafés com História de Portugal tem, neste momento, 46 cafés, contudo, só cinco deles integram a Associação Europeia (EHICA). Segundo um levantamento feito pelos responsáveis, em toda a Europa existem cerca de 140 cafés históricos, que estão a ser convidados a integrar esta rede europeia.

No encontro em Coimbra estão confirmadas as participações de entidades oficiais nacionais, representantes da ‘Rota dos Cafés com História de Portugal’, de cafés históricos de Espanha e de diversos cafés europeus.

Os cafés históricos que fazem parte da associação europeia:

  • Café Casino (Santiago de Compostela – Espanha);
  • Café Central (Budapeste – Hungria);
  • Café Central (Málaga – Espanha);
  • Café de L´Ópera (Barcelona – Espanha);
  • Café Dell´Ússero (Pisa – Itália);
  • Café Kipos (Chania – Grécia);
  • Café La Calcina (Veneza – Itália);
  • Café New York (Budapeste – Hungria);
  • Café S. Gonçalo (Amarante – Portugal);
  • Café Santa Cruz (Coimbra – Portugal);
  • Café Stefanka (Bratislava – Eslováquia);
  • Café Vlissinghe (Brugge – Bélgica);
  • Café Zurich (Barcelona – Espanha);
  • Caffe Al Bicerin (Torino – Itália);
  • Caffe Cordina (Valleta – Malta);
  • Caffe San Marco (Trieste – Itália);
  • Caffé Torinese (Trieste – Itália);
  • Grancafé Quadri (Veneza – Itália);
  • Iruna Café (Pamplona – Espanha);
  • Les Deux Magots (Paris – França);
  • Pastéis de Belém (Lisboa – Portugal);
  • Pastelaria Gomes (Vila Real – Portugal);
  • Pastelaria Versailles (Lisboa – Portugal).

 

PROGRAMA

Sexta-feira (20)
Casa da Escrita

14h30
Sessão de abertura

15h30
“A importância dos cafés na transformação da esfera pública”
Clara Almeida Santos (Vice-reitora da Universidade de Coimbra)

“As livrarias na história das ideias e da literatura”
José Pinho (Livraria Ferín e Coordenador Óbidos Vila Literária)

17h00
“Os Cafés Históricos e as Redes de Património Cultural”
Maria Calado (Centro Nacional de Cultura)
Celeste Amaro (Direcção Regional da Cultura do Centro)
Pedro Machado (Turismo Centro de Portugal)
Moderador: Fernando Alves

18h45
Apresentação da EHICA (Associação Europeia dos Cafés Históricos)
Maria Mystakidou (Directora de Comunicação da EHICA)
Vassilis Stathakis (Presidente da EHICA)
Zacharenia Simandiraki (Coordenadora Cientifica da EHICA)
Moderador: Vítor Marques

 

Sábado (21)
Café Santa Cruz

15h00
“Os Cafés Históricos como Património Turístico”
Manuel Lacerda (Direcção Geral do Património Cultural)
João Paulo Martins (Faculdade de Arquitectura – U.T.L.)
Samuel Alemão (Jornalista e autor do livro “Cafés Portugueses: Tertúlia e Tradição”)
Moderação: António Pedro Pita

17h00
Tertúlia: “Os Cafés Históricos da Europa: O seu lugar na sociedade”
António Sousa Ribeiro (FLUC)
Graça Índias Cordeiro (ISCTE – IUL)
Fernando Franjo (Jornalista espanhol e autor do livro “50 Cafés Históricos de España e Portugal”)
Moderação: Carlos Fiolhais

19h00
Apresentação da Rota de Sítios da Paz
Orador: Eduardo Basso – Presidente da Rede Europeia de Sítios da Paz (European Network of Places of Peace)

19h15
Apresentação das conclusões do Encontro
António Inácio Nogueira (Autor “Santa Cruz: Um Café com História” )

19h30
Sessão de Encerramento
Ana Alcoforado (Directora Museu Nacional Machado de Castro)
Luís Filipe Menezes (Vice-Reitor da Universidade de Coimbra)
Carina Gomes (Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Coimbra)