Coimbra  24 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CMC/concurso: Vereador deu a camarada garantia de “ser repescado”

24 de Maio 2018

O vice-presidente da Câmara de Coimbra transmitiu, em Janeiro, a um candidato excluído de um concurso da autarquia que ele ia “ser repescado”; até hoje, nada aconteceu, apurou o “Campeão”.
A promessa de repescagem foi feita, a 11 de Janeiro [de 2018], através de mensagem escrita, via telemóvel da Câmara Municipal de Coimbra atribuído a Carlos Cidade, camarada do sobredito opositor ao referido concurso.
O candidato recebera, no começo do presente ano, uma carta da autarquia a informá-lo da respectiva exclusão, “salvo se o número de opositores constantes da lista unitária de ordenação final não venha a satisfazer as necessidades” subjacentes à origem do procedimento concursal.
Trata-se de um concurso para recrutamento de 10 assistentes operacionais mediante contrato de trabalho por tempo indeterminado, cujo aviso foi publicado no Diário da República a 27 de Julho de 2016.
O referido cidadão abordou Carlos Cidade no início da segunda semana de Janeiro, numa fase em que decorria prazo de 10 dias úteis para dizer o que lhe aprouvesse sobre a respectiva exclusão.
Provavelmente confiante na promessa de “ser repescado”, o opositor ao concurso nada questionou.
Ao dirigir-se a Carlos Cidade, o director-adjunto do “Campeão” requereu a prestação de informação capaz de “contribuir para esclarecimento” do jornalista.
Embora o requerimento forneça a Carlos Cidade os detalhes indispensáveis para identificação do episódio por ele protagonizado, o vice-presidente da CMC pediu ao jornalista para ser “mais preciso e concreto” e alegou tratar-se de um concurso respeitante a uma área (Educação) em que não possui competências delegadas ou subdelegadas.