Coimbra  26 de Setembro de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

CMC: Vereadora questiona, em vão, apoio a investidores

10 de Setembro 2018

A vereadora social-democrata da Câmara Municipal de Coimbra Madalena Abreu questionou, hoje, em vão, a alegada débil política da autarquia no tocante a apoio a investidores.

A propósito da atribuição de um subsídio camarário de 3 000 euros à 10ª. edição do concurso “Arrisca C- Ideias e planos de negócio”, a edil eleita pelo PSD, regozijando-se com a apresentação de uma iniciativa do Gabinete de Apoio ao Investidor (GAI) pertencente à autarquia, perguntou que tem andado ele a fazer.

“Quais os investimentos atraídos? O que desenvolveu a Câmara numa área tão fulcral para o desenvolvimento do nosso Município?”, questionou Madalena Abreu, sem, contudo, obter resposta de Manuel Machado.

Um dos requisitos para a atribuição daquele montante por parte da edilidade é que a empresa vencedora do concurso instale a sua sede no concelho, revelou a Assessoria de Imprensa da Câmara conimbricense.

Dinamizado pela Universidade de Coimbra, o “Arrisca C” foi instituído em 2008.

O vereador independente, José Manuel Silva, sugeriu que a autarquia optasse pela atribuição de um subsídio de 10 000 euros, mas o alvitre foi rejeitado.

“A CMC devia ter interesse em estimular a instalação do melhor plano de negócio no concelho”, declarou o autarca ao “Campeão”.

Noutro âmbito, uma declaração de aceitação de benefícios fiscais em prol da sociedade farmacêutica Bluepharma também suscitou um reparo do líder do movimento “Somos Coimbra”.

Trata-se de benefícios estimados pelo vereador em 2 481 euros, montante que ele rotulou de insignificante à luz de um investimento da Bluepharma orçado em 30 milhões de euros e gerador da criação de cerca de uma centena de postos de trabalho qualificado.