Coimbra  16 de Agosto de 2018 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Ciência: Descoberto carbono para lá de Neptuno

11 de Maio 2018

Uma equipa de astrónomos descobriu um asteróide rico em carbono, um dos elementos essenciais à vida, para lá da órbita do planeta Neptuno, revelou, anteontem, o Observatório Europeu do Sul (OES).

Segundo o OES, organização da qual Portugal faz parte, o asteróide 2004 EW95 formou-se, muito provavelmente, na cintura situada entre os planetas Marte e Júpiter, e terá sido lançado a milhares de milhões de quilómetros de distância.

A descoberta sustenta a tese de que a cintura de Kuiper, uma região fria, deverá conter “uma pequena fracção de corpos rochosos, originários do sistema solar interno [zona mais perto do Sol], tais como asteróides ricos em carbono”.

A teoria sobre os primórdios do sistema solar refere que, depois de se terem formado, os gigantes gasosos – Júpiter, Saturno, Urano e Neptuno – ejectaram pequenos corpos rochosos das regiões internas para órbitas mais afastadas do Sol.

A referida equipa de astrónomos, liderada por Tom Seccull (Reino Unido), determinou a composição do asteróide medindo “o padrão de luz” reflectido no corpo rochoso através de espectrógrafos do Telescópio Muito Grande (Very Large Telescope, VLT) do OES.

O trabalho revelou-se um grande desafio para os cientistas, na medida em que o 2004 EW95 dista da Terra quatro mil milhões de quilómetros.