Coimbra  17 de Novembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cantanhede: Maior plantação de canábis já está a ser cultivada

9 de Novembro 2017

A maior plantação de canábis para fins medicinais começou a ser cultivada em Cantanhede, há duas semanas, e, em breve, serão mais de 100 000 plantas, anunciou, hoje, o presidente da empresa canadiana Tilray na Web Summit.

Depois de um ano a viajar por todo o mundo, a Tilray escolheu o Parque Tecnológico de Cantanhede para instalar a sua produção de canábis. No Verão, a empresa teve luz verde do Governo para avançar com o projecto, que, há duas semanas, começou a ganhar forma.

“Começámos a plantar há duas semanas, mas as plantas ainda são muito pequenas. Têm cerca de 10 centímetros”, contou à Lusa Brendan Kennedy, director-executivo da Tilray, no final da sua apresentação na Web Summit.

Dentro de poucos meses, contou, estas plantas “terão entre um a dois metros” e a meta da empresa é ter “mais de 100 000 plantas” para exportar para países que a queiram usar para fins medicinais.

Alemanha, Croácia e Chipre são alguns dos países que em breve vão começar a importar canábis plantada em Cantanhede.

A Tilray vai investir cerca de 20 milhões de euros até 2020 num negócio que deverá criar 1 000 empregos.

Também presente na Web Summit, João Moura, presidente do Parque Tecnológico de Cantanhede, o Biocant, acredita que a empresa canadiana poderá vir a contratar investigadores portugueses. Neste momento, acrescentou João Moura, a Tilray já utiliza os laboratórios do parque para fazer investigação.

“O Biocant tem cerca de 300 quadros altamente qualificados e esperamos que a Tilray aproveite esta mais-valia”, disse à Lusa o responsável pelo parque tecnológico e ex-presidente da Câmara de Cantanhede.

A existência de trabalhadores com formação na área da produção agrícola, assim como a comunidade de investigadores, que “pode levar a cabo investigação nas áreas da biotecnologia e das ciências da vida”, foram duas das razões apontadas por Brendan Kennedy para escolher Portugal. A outra razão foi “o clima ideal para o crescimento da planta”.

Na Web Summit, que decorreu de segunda-feira até hoje, em Lisboa, participam 59 115 pessoas de 170 países, entre os quais mais de 1 200 oradores, 1 400 investidores e 2 500 jornalistas.