Coimbra  21 de Março de 2019 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Cancro do pâncreas em vias de ser tratado com vírus da gripe modificado

25 de Janeiro 2018

Um vírus da gripe foi modificado por cientistas, no Reino Unido, para inibição do desenvolvimento do cancro do pâncreas, revela um estudo, divulgado hoje, da Universidade Queen Mary (Londres).

A nova técnica possui potencial para ser usada no tratamento de doentes com variante agressiva daquela doença oncológica, considera uma equipa liderada por Gunnel Halldén acerca da investigação relatada no boletim “Molecular Cancer Therapeutics”.

“Mostrámos pela primeira vez que os cancros pancreáticos podem ser combatidos especificamente com uma forma modificada do vírus da gripe comum”, afirmou a primeira autora do estudo, Stella Man, citada pela Agência Lusa.

Investigadores modificaram o referido vírus para ele infectar e matar células cancerosas, sem causar danos colaterais no tecido saudável, e conseguiram criar um método para o libertar na corrente sanguínea e atacar células de tumores em outras partes do corpo.

“Se conseguirmos confirmar estes resultados em testes clínicos com pacientes humanos, este poderá ser um novo tratamento promissor para os portadores de neoplasia do pâncreas, combinado com a quimioterapia existente para destruir células cancerosas persistentes”, indicou Stella Man.

O pâncreas é um órgão autofágico e o cancro é diagnosticado, habitualmente, demasiado tarde.

O vírus da gripe é modificado para conter na sua camada exterior uma proteína suplementar que reconhece e se liga a moléculas específicas presentes no cancro do pâncreas.

Quando entra na célula cancerosa, o vírus replica-se tantas vezes que acaba por rebentar a célula, destruindo-a. Essas réplicas do vírus espalham-se na área circundante e repetem o processo em outras células doentes.

Gunnel Halldén disse que a equipa está “à procura de novo financiamento a fim de progredir para testes clínicos, num prazo de dois anos”. “Assim que conseguirmos o financiamento, serão necessários cinco anos para determinar se o tratamento é seguro e eficaz”, precisou o investigador.