Coimbra  17 de Dezembro de 2017 | Director: Lino Vinhal

Semanário no Papel - Diário Online

 

Águeda: Homem filmado a afogar a mulher condenado a seis anos

6 de Dezembro 2017

O Tribunal de Aveiro condenou, hoje, a seis anos de cadeia (prisão efectiva) o homem de 60 anos que foi filmado a tentar afogar a mulher no rio, em Águeda, há cerca de cinco meses.

Durante a leitura do acórdão, a juíza presidente disse que o Tribunal deu como provado que o arguido “agiu com a intenção de maltratar fisicamente e psicologicamente a assistente e, por outro lado, com a intenção de lhe tirar a vida”.

Durante o julgamento, o arguido disse que se tratou de um acidente e que caiu sobre a mulher, negando ter tido intenção de a matar, uma tese que não convenceu o colectivo de juízes.

“As declarações da assistente revelaram-se minuciosas e coerentes e não deixaram ao Tribunal qualquer dúvida de que o arguido praticou as agressões e tentou afogá-la na água do rio”, disse a referida magistrada judicial.

A juíza referiu, ainda, que o depoimento da mulher mostrou-se consistente com o relatório do Instituto Nacional de Medicina Legal e com o relato de uma testemunha que observou o que aconteceu.

O homem foi condenado a cinco anos de prisão, por um crime de homicídio qualificado na forma tentada, um ano e meio, por um crime de violência doméstica, um ano e três meses por um crime de resistência e coacção sobre funcionário e seis meses por um crime de detenção de arma proibida.

Em cúmulo jurídico, foi-lhe aplicada uma pena única de seis anos de reclusão.

O arguido foi ainda condenado nas penas acessórias de proibição de contactos, incluindo a proibição de se aproximar a menos de 1 000 metros da residência e local de trabalho da assistente, e interdição do uso e porte de armas, pelo período de quatro anos e meio.

O homem terá ainda de pagar uma indemnização de 10 000 euros à mulher.

O Tribunal decidiu que o arguido deve aguardar os ulteriores termos do processo em prisão preventiva.

O indivíduo já respondeu em dois inquéritos por violência doméstica sobre a esposa, com quem está casado há 36 anos, um dos quais foi arquivado e outro foi objecto de suspensão provisória.

Na acusação, o Ministério Público (MP) refere que, quando a mulher lhe falou em divórcio, o arguido ameaçou-a de morte, dizendo que se ela não era dele, então, não era de mais ninguém.

Os factos ocorreram na tarde do dia 07 de Abril de 2017, junto ao rio Águeda.

De acordo com a investigação, o homem agarrou a mulher pelos braços e atirou-a à água, na parte mais profunda do rio, empurrando-a para baixo e impedindo-a de respirar.

O MP diz que esta situação só não teve um desfecho fatal, porque um homem, que foi atraído ao local pelos gritos da vítima, disse para o arguido parar e gravou a tentativa de homicídio com o telemóvel.

O vídeo, que circula nas redes sociais, foi entregue à GNR de Águeda, que foi buscar a vítima à casa onde vivia com o agressor, em Paredes, no concelho de Águeda, encaminhando-a para uma casa-abrigo.

Quatro dias depois do crime, o indivíduo foi detido pela Polícia Judiciária (PJ) nas imediações da sua habitação, tendo oferecido resistência e agredido um dos inspectores, facto que o arguido também negou durante o julgamento.

Na sequência de uma busca domiciliária, foram apreendidas ao suspeito mais de 100 munições para espingarda caçadeira e uma espingarda de pressão de ar.